Total de visualizações de página

domingo, 21 de março de 2010

51 questões para os que crêem na Trindade


1. Se a crença na Trindade é tão importante para a nossa salvação, porque é que a palavra “Trindade”, ou o seu conceito de três seres num só, não se encontra na Bíblia?

2. Porque é que os apóstolos e os primeiros cristãos não acreditavam na Trindade? (Se você disser que sim, prove isso pelas Escrituras ou por citações dos Pais da Igreja antes de 200 A.D).

3. Visto que a Trindade era tão contrária à crença religiosa judaica em Deus, porque é que Jesus e os seus apóstolos não gastaram tempo suficiente, ensinando e explicando a Trindade, de forma a convencer os judeus da sua verdade, assim como fizeram com outros ensinos cristãos?

4. Se a doutrina da Trindade era uma verdade sólida, porque é que Jesus e os seus discípulos não contrariaram o Shema do antigo Testamento: “Ouve ó Israel: Jeová, nosso Deus é um só Jeová”. (Deut. 6:4) Porque é que ao invés disso, Jesus citou essa mesma escritura em Marcos 12:29?

5. Porque é que Deus não disse ao seu povo para não ter nada a ver com as nações pagãs, se essas mesmas nações tinham o conceito correto sobre Deus? (o conceito destas nações acerca da trindade como conceito de Deus, remonta praticamente a todas as nações dos tempos antigos.

6. Se Jesus é Deus, quem é o Deus de Deus? Jesus fala do “meu Deus” até mesmo já no céu. Porque é que Jesus afirma que tem um Deus, se de fato ele é o Deus? (João 20:17; Apocalipse 3:12; 1:6; 1 Pedro 1:3; 2 Coríntios 1:3; Efésios 1:17; Salmos 89:26; Marcos 15:34; Colossenses 1:3; Hebreus 1:9; Salmos 45:7) Porque a Bíblia nunca se refere ao Pai referindo-se ao Filho como “meu Deus”, nem o Pai e o Filho referindo-se ao espírito santo como “meu Deus”?

7. Porque é que o espírito santo na Trindade, desempenha um papel tão fraco? Visto que as escrituras nos dizem que Maria ficou grávida pelo espírito santo, isso faria do espírito santo o Pai. Então quem é o Pai do Pai?

8. De quem foi a voz que se ouviu desde os céus quando Jesus foi batizado?

9. A quem Jesus orava? A ele próprio?

10. Se Jesus era Deus, porque Satanás iria perder o seu tempo tentando-o? Será que Deus é vulnerável?

11. Quem tem a imortalidade? Deus? Jesus morreu (impossível para quem tem a imortalidade) e esteve morto por quase 3 dias. Como pode Deus morrer? Quem o ressuscitou? (Hebreus 5:7; Apocalipse 2:8)

12. Com quem Jesus falou quando estava na estaca de tortura, conforme Mateus 27:46: “Por volta da nona hora, Jesus exclamou com voz alta…”Deus meu, Deus meu, por que me abandonaste?”

13. Visto que a doutrina da Trindade afirma que o Pai, o Filho e o Espírito Santo são co-existentes e co-iguais; estava Jesus mentindo em João 14:28 quando disse: “O Pai é maior do que eu”? Se Jesus quisesse afirmar que ele, como um terço da Trindade, estava naquele momento numa posição inferior, porque não afirmou antes que ‘Deus é maior do que eu’? Como poderia Jesus afirmar que uma pessoa da Trindade era maior que a outra pessoa da Trindade? Se o Filho era inferior a si mesmo enquanto na terra, então onde estava a parte dele que era co-igual e co-existente com o Pai?

14. Se João 10:30 mostra que Jesus e Deus são a mesma pessoa quando diz: “Eu e o Pai somos um”, explique João 17:20-26, “a fim de que sejam um, assim como nós somos um”. Com quem Jesus estava falando? Significa isso que os verdadeiros discípulos de Jesus, são o mesmo que Deus e Jesus e desta forma são uma parte da Trindade (Múltipla-entidade)?

15. Se Jesus era verdadeiramente Deus na terra, como poderia ser um resgate correspondente? Isso faria de Jesus um perfeito Deus/homem, enquanto Adão era apenas um homem perfeito.

16. A quem está o Filho sujeitando-se em 1 Coríntios 15:28?

17. Será que Mateus 3:11 indica que o espírito santo é uma pessoa? (Água e fogo não são pessoas).

18. Como poderia o espírito santo ser uma pessoa, quando encheu cerca de 120 discípulos ao mesmo tempo? (Atos 2:4) Como você pode ficar cheio de uma pessoa?

19. Se Jesus era o Deus Todo-Poderoso, porque Jesus não corrigiu Simão Pedro quando perguntou quem pensavam que ele era, e Pedro respondeu: ““Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivente.”? (Mateus 16:15-17)

20. Se Jesus é Deus, explique a escritura em João 1:18, que diz: “Nenhum homem jamais viu a Deus.”

21. Explique Apocalipse 1:1, se Jesus era Deus. Se Jesus era parte da divindade, então porque teve de lhe ser dada a revelação por outra parte da divindade, Deus? Certamente que ele também a saberia, pois Deus sabia.

22. Se Jesus é Deus, porque chamá-lo Jesus Cristo? É Cristo seu último nome? Deus é conhecido como Jeová Deus. Visto que “Cristo” é apenas um título assim como “Deus” é um título, não deveria ser chamado Jesus Deus? Ou será que o título “Cristo” dá-nos entendimento sobre a sua posição em relação ao Pai?

23. Explique com que estava o apóstolo Paulo preocupado em 2 Coríntios 11:3, 4, Gálatas 1:6-9 e Atos 20:29. Será que estava avisando sobre doutrinas tais como a Trindade? A doutrina da Trindade tem origem pagã. Isso é um fato histórico. Não foi aceito pela congregação cristã até centenas de anos após a morte dos apóstolos. Em 325 E.C, foi um pagão, que assassinou o seu filho, a sua segunda mulher e vários outros familiares, que foi responsável por trazer para a congregação cristã este dogma. A Trindade ensina um Cristo diferente daquele que Paulo ensinou. (1 Coríntios 11:3; 8:5, 6)

24. Se a tradução correta de João 1:1 é Deus e não “um deus”, simplesmente porque não existe “um” no texto grego antes do substantivo anartro (substantivo sem artigo), então o mesmo é verdade em Atos 28:6. Porque é que todas as traduções acrescentam “um” nesta passagem que mostra Paulo como “um deus” em vez de Deus, quando o artigo “um” não existe no texto grego? Será porque o contexto indica que essa é a tradução mais correta? Leia atentamente para o contexto de João 1:1.

25. João 5:19 diz-nos que o “O Filho não pode fazer nem uma única coisa de sua própria iniciativa”. Porque não?

26. Filipenses 2:9-11 diz-nos que o Filho foi “enaltecido”. Quando isto aconteceu e como é isto possível se ele próprio é o Ser Supremo?

27. Como é que os Filho está sujeito a Deus junto com todas as outras coisas, se o Filho é co-igual com o Pai, ou também o Pai está sujeito ao Filho? (1 Coríntios 15:27, 28)

28. Com quem estava Jesus falando, e o nome de quem ele deu a conhecer? O seu próprio? (João 17:6, 26)

29. Porque razão Jesus não podia fazer nada da sua própria iniciativa, se ele era o Deus Todo-Poderoso? (João 5:30) Se Jesus era Deus, será que ele não poderia ter enviado a si próprio? (João 6:38)

30. Quem fez Jesus vir à terra e morrer por nós? Foi sua idéia? Hebreus 2:9 diz: “mas observamos a Jesus, que havia sido feito um pouco menor que os anjos, coroado de glória e de honra por ter sofrido a morte, para que, pela benignidade imerecida de Deus, provasse a morte por todo [homem]”. Foi Deus quem o enviou. Se Jesus era Deus, porquê ainda fazer distinção aqui, como é feito no resto das Escrituras?

31. Em vista de Hebreus 2:9, poderia Deus em qualquer circunstância ser inferior aos anjos? Ele é o Deus Todo-Poderoso para toda a eternidade.

32. Se Jesus era Deus, como poderia aparecer perante a pessoa ou a presença de si próprio? Hebreus 9:24 declara: “Porque Cristo entrou, não num lugar santo feito por mãos, que é uma cópia da realidade, mas no próprio céu, para aparecer agora por nós perante a pessoa de Deus”. (presença KJB)

33. É possível que o Deus Todo-Poderoso e Criador do universo estivesse confinado por nove meses no ventre de Maria? Se assim é, porque Satanás e os demônios não se apossaram dos céus na sua ausência e conquistaram a posição de adoração que tanto desejava desde o principio?

34. Visto que os anjos são também chamados Filhos de Deus (Gênesis 6:2), o que significa Jesus ser o Filho unigênito de Deus? (João 1:14; João 3:16; 1 João 4:9) [Jesus foi o único criado diretamente por Deus. Todas as outras coisas foram criadas através de Jesus (Dicionário Strong: διά – dia - dee-ah': Uma preposição primária significando o instrumento ou o meio pelo qual um ato é realizado. Colossenses 1:16-18. Gênesis 1:26 “Façamos o homem à nossa imagem.” Jesus foi o Mestre de Obras de seu Pai (Provérbios 8:22)

35. Se Jesus era Deus, desde a eternidade, de tempo indefinido a tempo indefinido, o Alfa e o Omega, sem princípio, etc, como pode ele ser chamado de Primogênito de toda a criação, ou o Princípio da criação? (Colossenses 1:15; Apocalipse 3:14)

36. O que é um filho? Se Jesus era o próprio Deus, porque ele é chamado de Filho de Deus, cerca de 85 vezes no Novo Testamento? Está a Bíblia fazendo uma declaração inexata em cada caso? Porque descrevê-lo como Filho de Deus, e confundir-nos, se ele era de fato o Deus Todo-Poderoso? Porque não dizer simplesmente que Deus veio à terra, que o Altíssimo nasceu de uma virgem, etc? Porque Jesus, vez após vez falou do seu Pai nos céus, se de fato ele, Jesus, era o Pai na forma humana, enquanto na terra? Não seria isso inexatidão? (Lucas 1:30-32)

37. Se Jesus Cristo irá reinar no Reino por mil anos, (Apocalipse 20:4) quem governará a seguir? 1 Coríntios 15:24 mostra que Jesus entregará o reino de volta a seu Deus e Pai. Porque seria isto necessário se eles são o mesmo? Significa isto que Jesus devolve o reino a si mesmo?

38. Marcos 13:32 diz-nos: “Acerca daquele dia e daquela hora ninguém sabe, nem os anjos no céu, nem o Filho, senão o Pai” Como poderia o Pai saber alguma coisa e o Filho não, se eles são co-iguais na mesma divindade? E se, como alguns argumentam, o Filho estava limitado pela sua natureza humana, porque o espírito santo não saberia?

39. “A mãe dos filhos de Zebedeu …disse-lhe: “Manda que estes dois filhos meus se assentem, no teu reino, um à tua direita e outro à tua esquerda. Jesus disse: “Bebereis, de fato, o meu copo, mas, assentar-se à minha direita e à minha esquerda não é meu para dar, mas pertence àqueles para quem tem sido preparado por meu Pai.” (Mateus 20:20-23) Porque Jesus disse estas palavras se ele era Deus? Estava Jesus apenas respondendo segundo a sua “natureza humana”? Se, como afirmam os trinitaristas, Jesus era verdadeiro “Deus-homem”, quer Deus quer homem, nem apenas um ou outro, seria verdadeiramente consistente a explicação que ele deu? Será que Mateus 20:23 não revela antes que o Filho não é igual ao Pai, e que apenas ao Pai estão reservadas algumas prerrogativas?

40. Mateus 26:39 diz: “E, indo um pouco mais adiante, prostrou-se com o rosto [em terra], orando e dizendo: “Pai meu, se for possível, deixa que este copo se afaste de mim. Contudo, não como eu quero, mas como tu queres.” Se o Pai e o Filho eram de apenas uma substância e não indivíduos distintos, não seria esta oração sem sentido? Jesus estaria orando a si próprio, e a sua vontade seria necessariamente a vontade do Pai.

41. Mateus 12:31, 32 diz-nos: “Por esta razão, eu vos digo: Toda sorte de pecado e blasfêmia será perdoada aos homens, mas a blasfêmia contra o espírito não será perdoada. Por exemplo, quem falar uma palavra contra o Filho do homem, ser-lhe-á perdoado; mas quem falar contra o espírito santo, não lhe será perdoado, não, nem neste sistema de coisas, nem no que há de vir”. Visto que os pecados contra o Filho seriam perdoados mas os pecados contra o espírito santo não, indica isto que o espírito santo é de alguma forma maior que o Filho? Isso contrariaria abertamente a Trindade.

42. A palavra hebraica Shaddai e a palavra grega Pantokrator são ambas traduzidas por “Todo-Poderoso”. Ambas as palavras nas suas línguas originais são aplicadas a Jeová, o Pai. (Êxodo 6:3; Apocalipse 19:6) Porque esta expressão nunca é aplicada ao Filho ou ao espírito santo?

43. Visto que 1 Coríntios 11:3 diz: “Mas, quero que saibais que a cabeça de todo homem é o Cristo; por sua vez, a cabeça da mulher é o homem; por sua vez, a cabeça do Cristo é Deus”, não revela isto que Deus está numa posição superior a Cristo? Alguns acreditam que é assim apenas enquanto Jesus estava na terra. Mas é de notar que isto foi escrito cerca de 55 E.C, alguns 22 anos após Jesus retornar ao céu. Então a verdade aqui aplica-se à relação existente entre Deus e Cristo nos céus.

44. Porque é que Jesus não é o único Deus a quem os cristãos têm de adorar? 1 Coríntios 8:5, 6 diz: “Pois, embora haja os que se chamem “deuses”, quer no céu, quer na terra, assim como há muitos “deuses” e muitos “senhores”, para nós há realmente um só Deus, o Pai, de quem procedem todas as coisas, e nós para ele; e há um só Senhor, Jesus Cristo, por intermédio de quem são todas as coisas, e nós por intermédio dele”. Este texto apresenta o Pai como o “único Deus” dos cristãos e como estando numa classe distinta de Jesus Cristo.

45. Através das escrituras Jesus é apresentado como sendo inferior ao Pai, em várias situações, como em João 14:28 (“O Pai é maior do que eu”). Visto que estas escrituras são explicadas por dizer que só era assim porque o Filho estava limitado pela sua condição humana enquanto na terra, quer dizer que durante 33 anos não houve trindade? Significa que por 33 anos o Filho não foi co-igual, co-existente e co-eterno com o seu Pai?

46. Como se pode usar João 8:58: “Antes de Abraão existir, EU SOU” e ligar à declaração de Jeová em Êxodo 3:14 ” EU SOU enviou-me a vós”? Fazendo isso faria da declaração de Jesus “EU SOU” um título, um nome, fazendo desta frase um frase incorreta, uma sentença incompleta, não fazendo qualquer sentido. [Exemplo: Substitua qualquer nome por “EU SOU”: “Antes de Abraão existir, casa.” etc]

47. Porque é Jesus apresentado como “o único mediador entre Deus e o homem”? Visto que por definição um mediador é alguém separado daqueles que precisam da mediação, seria uma contradição ele ser uma entidade com que uma das partes estava a tentar ser reconciliada. (Ilustração: Quando patrões e sindicatos estão negociando, um mediador do Estado é convidado a mediar a duas partes. Ele é imparcial. Ele não seria justo como mediador, se ele fosse quer patrão, quer empregado, não é verdade? Da mesma forma, Jesus é um mediador entre Deus e os homens. Ele não é nem Deus nem homem. Quando se está negociando com uma das partes não se está negociando através de um mediador. Como Gálatas 3:20 declara: “Ora, não há mediador onde apenas uma pessoa está envolvida, mas Deus é apenas um”.

48. O que significa Jesus ser chamado de Jesus Cristo? Não é o seu último nome. Cristo significa “ungido”. Se Jesus é Deus, como pode ele ser ungido? E por quem? Ungido é receber autoridade ou comissão por um superior, a quem não tem essa autoridade. Jesus diz: ““O espírito de Jeová está sobre mim, porque me ungiu para declarar boas novas aos pobres.” (Lucas 4:18) Aqui Deus é evidentemente o seu superior, pois ele ungiu Jesus e deu-lhe autoridade que ele antes não tinha.

49. Como Jesus teria que aprender a obediência? Hebreus 5:8 diz-nos que Jesus “aprendeu a obediência pelas coisas que sofreu.” Podemos imaginar Deus ter que aprender alguma coisa? Não, mas Jesus tinha, pois ele não sabia o mesmo que Deus sabia. E ele teve que aprender aquilo que Deus nunca terá que aprender, OBEDIÊNCIA. Deus nunca tem que obedecer a ninguém.

50. Se Jesus é Deus, porque é que Estevão viu duas pessoas no céu? Estevão “fitou os olhos no céu e avistou a glória de Deus, e Jesus em pé à direita de Deus.” (Atos 7:55) Claramente viu duas pessoas distintas. E se Jesus é parte de uma divindade trinitária, porque é que Estevão não viu também o espírito santo ou três pessoas?

51. Se alguma das questões anteriores foi respondida com a declaração “É UM MISTÉRIO”, então explique as seguintes passagens: 1 Coríntios 2:10; 1 João 5:20; 2 Timóteo 2:7; Efésios 3:5; 1 Pedro 1:12; e Lucas 24:45.

(1 Coríntios 2:10) Porque é a nós que Deus as tem revelado por intermédio de seu espírito, pois o espírito pesquisa todas as coisas, até mesmo as coisas profundas de Deus.
(1 João 5:20) Mas, sabemos que o Filho de Deus veio e nos deu capacidade intelectual para podermos obter conhecimento do verdadeiro. E nós estamos em união com o verdadeiro, por meio do seu Filho Jesus Cristo. Esse é o verdadeiro Deus e a vida eterna.
(2 Timóteo 2:7) Pensa constantemente no que digo; o Senhor te dará realmente discernimento em todas as coisas.
(Efésios 3:5) Em outras gerações, este [segredo] não foi dado a conhecer aos filhos dos homens assim como agora tem sido revelado aos seus santos apóstolos e profetas, por espírito,
(1 Pedro 1:12) Foi-lhes revelado que não era para eles, mas para vós, que ministravam as coisas que agora vos foram anunciadas por intermédio dos que vos declararam as boas novas com espírito santo enviado desde o céu. Nestas coisas é que os anjos estão desejosos de olhar de perto.
(Lucas 24:45) Abriu-lhes então plenamente as mentes para que compreendessem o significado das Escrituras

51 questões para os que crêem na Trindade


1. Se a crença na Trindade é tão importante para a nossa salvação, porque é que a palavra “Trindade”, ou o seu conceito de três seres num só, não se encontra na Bíblia?

2. Porque é que os apóstolos e os primeiros cristãos não acreditavam na Trindade? (Se você disser que sim, prove isso pelas Escrituras ou por citações dos Pais da Igreja antes de 200 A.D).

3. Visto que a Trindade era tão contrária à crença religiosa judaica em Deus, porque é que Jesus e os seus apóstolos não gastaram tempo suficiente, ensinando e explicando a Trindade, de forma a convencer os judeus da sua verdade, assim como fizeram com outros ensinos cristãos?

4. Se a doutrina da Trindade era uma verdade sólida, porque é que Jesus e os seus discípulos não contrariaram o Shema do antigo Testamento: “Ouve ó Israel: Jeová, nosso Deus é um só Jeová”. (Deut. 6:4) Porque é que ao invés disso, Jesus citou essa mesma escritura em Marcos 12:29?

5. Porque é que Deus não disse ao seu povo para não ter nada a ver com as nações pagãs, se essas mesmas nações tinham o conceito correto sobre Deus? (o conceito destas nações acerca da trindade como conceito de Deus, remonta praticamente a todas as nações dos tempos antigos.

6. Se Jesus é Deus, quem é o Deus de Deus? Jesus fala do “meu Deus” até mesmo já no céu. Porque é que Jesus afirma que tem um Deus, se de fato ele é o Deus? (João 20:17; Apocalipse 3:12; 1:6; 1 Pedro 1:3; 2 Coríntios 1:3; Efésios 1:17; Salmos 89:26; Marcos 15:34; Colossenses 1:3; Hebreus 1:9; Salmos 45:7) Porque a Bíblia nunca se refere ao Pai referindo-se ao Filho como “meu Deus”, nem o Pai e o Filho referindo-se ao espírito santo como “meu Deus”?

7. Porque é que o espírito santo na Trindade, desempenha um papel tão fraco? Visto que as escrituras nos dizem que Maria ficou grávida pelo espírito santo, isso faria do espírito santo o Pai. Então quem é o Pai do Pai?

8. De quem foi a voz que se ouviu desde os céus quando Jesus foi batizado?

9. A quem Jesus orava? A ele próprio?

10. Se Jesus era Deus, porque Satanás iria perder o seu tempo tentando-o? Será que Deus é vulnerável?

11. Quem tem a imortalidade? Deus? Jesus morreu (impossível para quem tem a imortalidade) e esteve morto por quase 3 dias. Como pode Deus morrer? Quem o ressuscitou? (Hebreus 5:7; Apocalipse 2:8)

12. Com quem Jesus falou quando estava na estaca de tortura, conforme Mateus 27:46: “Por volta da nona hora, Jesus exclamou com voz alta…”Deus meu, Deus meu, por que me abandonaste?”

13. Visto que a doutrina da Trindade afirma que o Pai, o Filho e o Espírito Santo são co-existentes e co-iguais; estava Jesus mentindo em João 14:28 quando disse: “O Pai é maior do que eu”? Se Jesus quisesse afirmar que ele, como um terço da Trindade, estava naquele momento numa posição inferior, porque não afirmou antes que ‘Deus é maior do que eu’? Como poderia Jesus afirmar que uma pessoa da Trindade era maior que a outra pessoa da Trindade? Se o Filho era inferior a si mesmo enquanto na terra, então onde estava a parte dele que era co-igual e co-existente com o Pai?

14. Se João 10:30 mostra que Jesus e Deus são a mesma pessoa quando diz: “Eu e o Pai somos um”, explique João 17:20-26, “a fim de que sejam um, assim como nós somos um”. Com quem Jesus estava falando? Significa isso que os verdadeiros discípulos de Jesus, são o mesmo que Deus e Jesus e desta forma são uma parte da Trindade (Múltipla-entidade)?

15. Se Jesus era verdadeiramente Deus na terra, como poderia ser um resgate correspondente? Isso faria de Jesus um perfeito Deus/homem, enquanto Adão era apenas um homem perfeito.

16. A quem está o Filho sujeitando-se em 1 Coríntios 15:28?

17. Será que Mateus 3:11 indica que o espírito santo é uma pessoa? (Água e fogo não são pessoas).

18. Como poderia o espírito santo ser uma pessoa, quando encheu cerca de 120 discípulos ao mesmo tempo? (Atos 2:4) Como você pode ficar cheio de uma pessoa?

19. Se Jesus era o Deus Todo-Poderoso, porque Jesus não corrigiu Simão Pedro quando perguntou quem pensavam que ele era, e Pedro respondeu: ““Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivente.”? (Mateus 16:15-17)

20. Se Jesus é Deus, explique a escritura em João 1:18, que diz: “Nenhum homem jamais viu a Deus.”

21. Explique Apocalipse 1:1, se Jesus era Deus. Se Jesus era parte da divindade, então porque teve de lhe ser dada a revelação por outra parte da divindade, Deus? Certamente que ele também a saberia, pois Deus sabia.

22. Se Jesus é Deus, porque chamá-lo Jesus Cristo? É Cristo seu último nome? Deus é conhecido como Jeová Deus. Visto que “Cristo” é apenas um título assim como “Deus” é um título, não deveria ser chamado Jesus Deus? Ou será que o título “Cristo” dá-nos entendimento sobre a sua posição em relação ao Pai?

23. Explique com que estava o apóstolo Paulo preocupado em 2 Coríntios 11:3, 4, Gálatas 1:6-9 e Atos 20:29. Será que estava avisando sobre doutrinas tais como a Trindade? A doutrina da Trindade tem origem pagã. Isso é um fato histórico. Não foi aceito pela congregação cristã até centenas de anos após a morte dos apóstolos. Em 325 E.C, foi um pagão, que assassinou o seu filho, a sua segunda mulher e vários outros familiares, que foi responsável por trazer para a congregação cristã este dogma. A Trindade ensina um Cristo diferente daquele que Paulo ensinou. (1 Coríntios 11:3; 8:5, 6)

24. Se a tradução correta de João 1:1 é Deus e não “um deus”, simplesmente porque não existe “um” no texto grego antes do substantivo anartro (substantivo sem artigo), então o mesmo é verdade em Atos 28:6. Porque é que todas as traduções acrescentam “um” nesta passagem que mostra Paulo como “um deus” em vez de Deus, quando o artigo “um” não existe no texto grego? Será porque o contexto indica que essa é a tradução mais correta? Leia atentamente para o contexto de João 1:1.

25. João 5:19 diz-nos que o “O Filho não pode fazer nem uma única coisa de sua própria iniciativa”. Porque não?

26. Filipenses 2:9-11 diz-nos que o Filho foi “enaltecido”. Quando isto aconteceu e como é isto possível se ele próprio é o Ser Supremo?

27. Como é que os Filho está sujeito a Deus junto com todas as outras coisas, se o Filho é co-igual com o Pai, ou também o Pai está sujeito ao Filho? (1 Coríntios 15:27, 28)

28. Com quem estava Jesus falando, e o nome de quem ele deu a conhecer? O seu próprio? (João 17:6, 26)

29. Porque razão Jesus não podia fazer nada da sua própria iniciativa, se ele era o Deus Todo-Poderoso? (João 5:30) Se Jesus era Deus, será que ele não poderia ter enviado a si próprio? (João 6:38)

30. Quem fez Jesus vir à terra e morrer por nós? Foi sua idéia? Hebreus 2:9 diz: “mas observamos a Jesus, que havia sido feito um pouco menor que os anjos, coroado de glória e de honra por ter sofrido a morte, para que, pela benignidade imerecida de Deus, provasse a morte por todo [homem]”. Foi Deus quem o enviou. Se Jesus era Deus, porquê ainda fazer distinção aqui, como é feito no resto das Escrituras?

31. Em vista de Hebreus 2:9, poderia Deus em qualquer circunstância ser inferior aos anjos? Ele é o Deus Todo-Poderoso para toda a eternidade.

32. Se Jesus era Deus, como poderia aparecer perante a pessoa ou a presença de si próprio? Hebreus 9:24 declara: “Porque Cristo entrou, não num lugar santo feito por mãos, que é uma cópia da realidade, mas no próprio céu, para aparecer agora por nós perante a pessoa de Deus”. (presença KJB)

33. É possível que o Deus Todo-Poderoso e Criador do universo estivesse confinado por nove meses no ventre de Maria? Se assim é, porque Satanás e os demônios não se apossaram dos céus na sua ausência e conquistaram a posição de adoração que tanto desejava desde o principio?

34. Visto que os anjos são também chamados Filhos de Deus (Gênesis 6:2), o que significa Jesus ser o Filho unigênito de Deus? (João 1:14; João 3:16; 1 João 4:9) [Jesus foi o único criado diretamente por Deus. Todas as outras coisas foram criadas através de Jesus (Dicionário Strong: διά – dia - dee-ah': Uma preposição primária significando o instrumento ou o meio pelo qual um ato é realizado. Colossenses 1:16-18. Gênesis 1:26 “Façamos o homem à nossa imagem.” Jesus foi o Mestre de Obras de seu Pai (Provérbios 8:22)

35. Se Jesus era Deus, desde a eternidade, de tempo indefinido a tempo indefinido, o Alfa e o Omega, sem princípio, etc, como pode ele ser chamado de Primogênito de toda a criação, ou o Princípio da criação? (Colossenses 1:15; Apocalipse 3:14)

36. O que é um filho? Se Jesus era o próprio Deus, porque ele é chamado de Filho de Deus, cerca de 85 vezes no Novo Testamento? Está a Bíblia fazendo uma declaração inexata em cada caso? Porque descrevê-lo como Filho de Deus, e confundir-nos, se ele era de fato o Deus Todo-Poderoso? Porque não dizer simplesmente que Deus veio à terra, que o Altíssimo nasceu de uma virgem, etc? Porque Jesus, vez após vez falou do seu Pai nos céus, se de fato ele, Jesus, era o Pai na forma humana, enquanto na terra? Não seria isso inexatidão? (Lucas 1:30-32)

37. Se Jesus Cristo irá reinar no Reino por mil anos, (Apocalipse 20:4) quem governará a seguir? 1 Coríntios 15:24 mostra que Jesus entregará o reino de volta a seu Deus e Pai. Porque seria isto necessário se eles são o mesmo? Significa isto que Jesus devolve o reino a si mesmo?

38. Marcos 13:32 diz-nos: “Acerca daquele dia e daquela hora ninguém sabe, nem os anjos no céu, nem o Filho, senão o Pai” Como poderia o Pai saber alguma coisa e o Filho não, se eles são co-iguais na mesma divindade? E se, como alguns argumentam, o Filho estava limitado pela sua natureza humana, porque o espírito santo não saberia?

39. “A mãe dos filhos de Zebedeu …disse-lhe: “Manda que estes dois filhos meus se assentem, no teu reino, um à tua direita e outro à tua esquerda. Jesus disse: “Bebereis, de fato, o meu copo, mas, assentar-se à minha direita e à minha esquerda não é meu para dar, mas pertence àqueles para quem tem sido preparado por meu Pai.” (Mateus 20:20-23) Porque Jesus disse estas palavras se ele era Deus? Estava Jesus apenas respondendo segundo a sua “natureza humana”? Se, como afirmam os trinitaristas, Jesus era verdadeiro “Deus-homem”, quer Deus quer homem, nem apenas um ou outro, seria verdadeiramente consistente a explicação que ele deu? Será que Mateus 20:23 não revela antes que o Filho não é igual ao Pai, e que apenas ao Pai estão reservadas algumas prerrogativas?

40. Mateus 26:39 diz: “E, indo um pouco mais adiante, prostrou-se com o rosto [em terra], orando e dizendo: “Pai meu, se for possível, deixa que este copo se afaste de mim. Contudo, não como eu quero, mas como tu queres.” Se o Pai e o Filho eram de apenas uma substância e não indivíduos distintos, não seria esta oração sem sentido? Jesus estaria orando a si próprio, e a sua vontade seria necessariamente a vontade do Pai.

41. Mateus 12:31, 32 diz-nos: “Por esta razão, eu vos digo: Toda sorte de pecado e blasfêmia será perdoada aos homens, mas a blasfêmia contra o espírito não será perdoada. Por exemplo, quem falar uma palavra contra o Filho do homem, ser-lhe-á perdoado; mas quem falar contra o espírito santo, não lhe será perdoado, não, nem neste sistema de coisas, nem no que há de vir”. Visto que os pecados contra o Filho seriam perdoados mas os pecados contra o espírito santo não, indica isto que o espírito santo é de alguma forma maior que o Filho? Isso contrariaria abertamente a Trindade.

42. A palavra hebraica Shaddai e a palavra grega Pantokrator são ambas traduzidas por “Todo-Poderoso”. Ambas as palavras nas suas línguas originais são aplicadas a Jeová, o Pai. (Êxodo 6:3; Apocalipse 19:6) Porque esta expressão nunca é aplicada ao Filho ou ao espírito santo?

43. Visto que 1 Coríntios 11:3 diz: “Mas, quero que saibais que a cabeça de todo homem é o Cristo; por sua vez, a cabeça da mulher é o homem; por sua vez, a cabeça do Cristo é Deus”, não revela isto que Deus está numa posição superior a Cristo? Alguns acreditam que é assim apenas enquanto Jesus estava na terra. Mas é de notar que isto foi escrito cerca de 55 E.C, alguns 22 anos após Jesus retornar ao céu. Então a verdade aqui aplica-se à relação existente entre Deus e Cristo nos céus.

44. Porque é que Jesus não é o único Deus a quem os cristãos têm de adorar? 1 Coríntios 8:5, 6 diz: “Pois, embora haja os que se chamem “deuses”, quer no céu, quer na terra, assim como há muitos “deuses” e muitos “senhores”, para nós há realmente um só Deus, o Pai, de quem procedem todas as coisas, e nós para ele; e há um só Senhor, Jesus Cristo, por intermédio de quem são todas as coisas, e nós por intermédio dele”. Este texto apresenta o Pai como o “único Deus” dos cristãos e como estando numa classe distinta de Jesus Cristo.

45. Através das escrituras Jesus é apresentado como sendo inferior ao Pai, em várias situações, como em João 14:28 (“O Pai é maior do que eu”). Visto que estas escrituras são explicadas por dizer que só era assim porque o Filho estava limitado pela sua condição humana enquanto na terra, quer dizer que durante 33 anos não houve trindade? Significa que por 33 anos o Filho não foi co-igual, co-existente e co-eterno com o seu Pai?

46. Como se pode usar João 8:58: “Antes de Abraão existir, EU SOU” e ligar à declaração de Jeová em Êxodo 3:14 ” EU SOU enviou-me a vós”? Fazendo isso faria da declaração de Jesus “EU SOU” um título, um nome, fazendo desta frase um frase incorreta, uma sentença incompleta, não fazendo qualquer sentido. [Exemplo: Substitua qualquer nome por “EU SOU”: “Antes de Abraão existir, casa.” etc]

47. Porque é Jesus apresentado como “o único mediador entre Deus e o homem”? Visto que por definição um mediador é alguém separado daqueles que precisam da mediação, seria uma contradição ele ser uma entidade com que uma das partes estava a tentar ser reconciliada. (Ilustração: Quando patrões e sindicatos estão negociando, um mediador do Estado é convidado a mediar a duas partes. Ele é imparcial. Ele não seria justo como mediador, se ele fosse quer patrão, quer empregado, não é verdade? Da mesma forma, Jesus é um mediador entre Deus e os homens. Ele não é nem Deus nem homem. Quando se está negociando com uma das partes não se está negociando através de um mediador. Como Gálatas 3:20 declara: “Ora, não há mediador onde apenas uma pessoa está envolvida, mas Deus é apenas um”.

48. O que significa Jesus ser chamado de Jesus Cristo? Não é o seu último nome. Cristo significa “ungido”. Se Jesus é Deus, como pode ele ser ungido? E por quem? Ungido é receber autoridade ou comissão por um superior, a quem não tem essa autoridade. Jesus diz: ““O espírito de Jeová está sobre mim, porque me ungiu para declarar boas novas aos pobres.” (Lucas 4:18) Aqui Deus é evidentemente o seu superior, pois ele ungiu Jesus e deu-lhe autoridade que ele antes não tinha.

49. Como Jesus teria que aprender a obediência? Hebreus 5:8 diz-nos que Jesus “aprendeu a obediência pelas coisas que sofreu.” Podemos imaginar Deus ter que aprender alguma coisa? Não, mas Jesus tinha, pois ele não sabia o mesmo que Deus sabia. E ele teve que aprender aquilo que Deus nunca terá que aprender, OBEDIÊNCIA. Deus nunca tem que obedecer a ninguém.

50. Se Jesus é Deus, porque é que Estevão viu duas pessoas no céu? Estevão “fitou os olhos no céu e avistou a glória de Deus, e Jesus em pé à direita de Deus.” (Atos 7:55) Claramente viu duas pessoas distintas. E se Jesus é parte de uma divindade trinitária, porque é que Estevão não viu também o espírito santo ou três pessoas?

51. Se alguma das questões anteriores foi respondida com a declaração “É UM MISTÉRIO”, então explique as seguintes passagens: 1 Coríntios 2:10; 1 João 5:20; 2 Timóteo 2:7; Efésios 3:5; 1 Pedro 1:12; e Lucas 24:45.

(1 Coríntios 2:10) Porque é a nós que Deus as tem revelado por intermédio de seu espírito, pois o espírito pesquisa todas as coisas, até mesmo as coisas profundas de Deus.
(1 João 5:20) Mas, sabemos que o Filho de Deus veio e nos deu capacidade intelectual para podermos obter conhecimento do verdadeiro. E nós estamos em união com o verdadeiro, por meio do seu Filho Jesus Cristo. Esse é o verdadeiro Deus e a vida eterna.
(2 Timóteo 2:7) Pensa constantemente no que digo; o Senhor te dará realmente discernimento em todas as coisas.
(Efésios 3:5) Em outras gerações, este [segredo] não foi dado a conhecer aos filhos dos homens assim como agora tem sido revelado aos seus santos apóstolos e profetas, por espírito,
(1 Pedro 1:12) Foi-lhes revelado que não era para eles, mas para vós, que ministravam as coisas que agora vos foram anunciadas por intermédio dos que vos declararam as boas novas com espírito santo enviado desde o céu. Nestas coisas é que os anjos estão desejosos de olhar de perto.
(Lucas 24:45) Abriu-lhes então plenamente as mentes para que compreendessem o significado das Escrituras

11 comentários:

Glaysom disse...

A DIDAQUÉ (OU: A DOUTRINA DOS DOZE APÓSTOLOS)

É considerado um dos mais antigos escritos cristãos não-canônicos, datado inclusive de tempo bem anterior a muitos escritos do Novo Testamento. Estudos que assinalam uma data de composição não posterior a 160 d.C. são recentes. É um excelente testemunho do pensamento da Igreja Primitiva e aqui o mencionamos por trazer um testemunho do uso da fórmula batismal trinitária usada pela Igreja Primitiva:

– “Quanto ao batismo, procedam assim: depois de ditas todas essas coisas, batizem em água corrente, em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo” (Didaqué 7,1).[2]

O MARTÍRIO DE POLICARPO

É uma carta da Igreja de Esmirna à comunidade de Filomênio em que se narra o martírio de São Policarpo, discípulo direto do Apóstolo São João e bispo de Esmirna. É um escrito apostólico que faz uso de belas doxologias trinitárias, expressando muito bem e claramente o dogma trinitário:

– “A Ele [Jesus Cristo] seja dada a glória com o Pai e o Espírito Santo pelos séculos dos séculos. Amém”.[3]

O PASTOR DE HERMAS

Classificado como um dos escritos dos Padres Apostólicos ainda que – como assinala Quasten – pertença ao grupo dos Apocalipses apócrifos. Contém as revelações feitas por duas figuras celestiais a Hermas:

– “O Espírito Santo, que é preexistente, que criou todas as coisas, Deus o fez habitar no corpo de carne que Ele quis. Pois bem. Esta carne em que o Espírito Santo habitou serviu bem ao Espírito, caminhando em santidade e pureza, sem macular absolutamente nada o mesmo Espírito. Como [essa carne] tinha, pois, levado uma conduta excelente e pura, e tomado parte em todo trabalho do Espírito e cooperado com Ele em todo negócio, portando-se sempre forte e valorosamente, Deus a tornou partícipe juntamente com o Espírito Santo. Com efeito, a conduta desta carne agradou a Deus, por não ter se maculado sobre a terra enquanto teve consigo o Espírito Santo. Assim, pois, tomou por conselheiro a seu Filho e os anjos gloriosos para que esta carne, que tinha servido sem reprovação ao Espírito, alcançasse também algum lugar de repouso e não parecesse ter perdido a recompensa pelo seu serviço, porque toda a carne em que habitou o Espírito Santo, se encontrada pura e sem mancha, receberá sua recompensa” (5ª Parábola, 6,5-7).[4]

Com base neste texto, Quasten explica:

– “Segundo esta passagem, parece que para Hermas a Trindade consiste em Deus Pai, em uma segunda Pessoa divina – o Espírito Santo – que ele identifica com o Filho de Deus e, finalmente, no Salvador, elevado para fazer parte de sua sociedade como prêmio por seus merecimentos. Em outras palavras, Hermas considera o Salvador como Filho adotivo de Deus, razão pela qual se refere à sua natureza humana”.

SANTO INÁCIO DE ANTIOQUIA (110 D.C.)

Foi consagrado bispo da Antioquia pelas próprias mãos de São Pedro e São Paulo, segundo afirma São João Crisóstomo (embora as Constituições Apostólicas afirmem que Pedro consagrou Evódio e Paulo a Inácio). Eusébio de Cesaréia afirma (Hist. Ecles. 3,22) que [Inácio] sucedeu a Evódio (primeiro bispo de Antioquia) e em sua “Crônica” aponta o tempo de seu episcopado entre o 1º ano de Vespasiano (70 d.C.) e o 10º de Trajano (107 d.C.).

– “Inácio, por sobrenome Téoforo [=portador de Deus], à abençoada em grandeza de Deus com plenitude; à predestinada desde antes dos séculos para servir para sempre, para glória duradoura e imutável, glória unida e eleita pela graça da verdadeira Paixão e por vontade de Deus Pai e de Jesus Cristo, nosso Deus; à Igreja digna de toda bem-aventurança, que está em Éfeso, na Ásia, minha cordialíssima saudação em Jesus Cristo e na alegria imaculada” (Epístola aos Efésios 1).[5]

Glaysom disse...

Existe um médico, no entanto, que é carnal além de espiritual, gerado e não gerado, Deus feito carne, filho de Maria e Filho de Deus, primeiro passível e depois impassível: Jesus Cristo, nosso Senhor” (Epístola aos Efésios 7,2).[6]

– “A verdade é que nosso Deus Jesus, o Ungido, foi levado por Maria em seu seio conforme a dispensação de Deus, certamente da descendência de Davi, mas por obra do Espírito Santo. Ele nasceu e foi batizado a fim de purificar a água com a sua Paixão” (Epístola aos Efésios 18,2).[7]

– “Inácio, por sobrenome Téoforo [=portador de Deus], à Igreja que alcançou misericórdia na magnificência do Pai Altíssimo e de Jesus Cristo, seu único Filho; à que é amada e é iluminada por vontade Daquele que quis que todas as coisas existissem, segundo a fé e a caridade de Jesus Cristo, nosso Deus” (Epístola aos Romanos 1).[8]

– “Permitam que eu seja imitador da Paixão do meu Deus” (Epístola aos Romanos 4,3).

– “Eu glorifico a Jesus Cristo, Deus, que é quem os tem feito sábios até tal ponto, pois percebi muito bem de quão mergulhados estais da fé imutável, como se estivésseis pregados, em carne e espírito, na cruz de Jesus Cristo” (Epístola aos Esmirniotas 1,1).[9]

Para Santo Inácio, Cristo está acima do tempo e é intemporal, o que é uma forma de dizer que existe desde toda a eternidade:

– “Aguardai Aquele que está acima do tempo, o Intemporal; o Invisível, que por nós se tornou visível; o Impalpável, o Impassível, que por nós se fez passível; aquele que, por todos os modos, sofreu por nós” (Carta a Policarpo 3,2).[10]

Glaysom disse...

Mesmo não existindo a palavra trindade na Bíblia, este é um conceito muito usado pelos cristãos, mas a grande maioria tem apenas um conhecimento superficial a respeito dessa doutrina, são poucos os que procuram um entendimento mais profundo e seguro, e este é o propósito deste estudo.

Glaysom disse...

Onisciência, onipotência e onipresença

O fato de não existir a palavra trindade na Bíblia não chega a ser um problema, porque na verdade trata-se de um termo utilizado para explicar um aspecto da natureza de Deus, assim como também não encontraremos as palavras onisciência, onipresença e onipotência. O que encontramos são informações que dão base para estes atributos.

Não é algo de fácil compreensão

Não adianta pensar que seja fácil compreender a Doutrina da Trindade, porque não é. O nosso entendimento humano sempre vai ser limitado para compreender toda a natureza de Deus (Rm 11.33). Mas não é por esta razão que devemos ser ignorantes em relação a este assunto (Os 4.6), muito pelo contrário, a Bíblia traz diversas informações que nos ajudam a compreender melhor essa doutrina.

Romanos 11.33 (NVI)
Ó profundidade da riqueza da sabedoria e do conhecimento de Deus! Quão insondáveis são os seus juízos, e inescrutáveis os seus caminhos!

Oseias 4.6 (NVI)
Meu povo foi destruído por falta de conhecimento. “Uma vez que vocês rejeitaram o conhecimento, eu também os rejeito como meus sacerdotes; uma vez que vocês ignoraram a lei do seu Deus, eu também ignorarei seus filhos.

A Trindade

Nós já estudamos anteriormente sobre a divindade de Jesus (vídeo: “Jesus é Deus?”) e sobre a divindade do Espírito Santo (vídeo: “Quem é o Espírito Santo?”). Mas como conceber isso na nossa mente? Se Jesus é Deus, o Espírito Santo é Deus e Deus é Deus, então são 3 deuses?

– Não! É exatamente isso que a doutrina da Trindade procura demonstrar: a unidade de Deus! E nessa unidade, existem três pessoas eternas, que são iguais no ser, em sua essência, mas são distintas em sua personalidade.

Três coisas nós temos que ter em mente:

a) Quanto ao seu ser ou a sua essência, Deus é um;
b) Quanto à sua personalidade, Deus é três;
c) Não podemos dividir a essência de Deus, nem confundir as pessoas.

Distinção das pessoas

A distinção entre as pessoas da trindade é algo muito claro, cada uma delas possui características próprias (Jo 14.16-17) e, muitas vezes, exerce atividades distintas.

Por exemplo: Foi o Pai que enviou o Filho (Jo 8.18), foi o Filho que morreu na cruz (Fp 2.8), e é o Espírito Santo quem habita em nós (Rm 8.11). Não é Deus que aparece as vezes como Pai, as vezes como Filho e as vezes como Espírito Santo, como se fosse um ator trocando de personagem. Na verdade isso é conhecido como modalismo ou unicismo, e não é bíblico.

João 14.16-17 (NVI)
E eu pedirei ao Pai, e ele lhes daráoutro Conselheiro para estar com vocês para sempre, o Espírito da verdade. O mundo não pode recebê-lo, porque não o vê nem o conhece. Mas vocês o conhecem, pois ele vive com vocês e estará em vocês.

João 8.18 (NVI)
Eu testemunho acerca de mim mesmo; a minha outra testemunha é o Pai, que me enviou

Filipenses 2.8 (NVI)
E, sendo encontrado em forma humana, [Jesus] humilhou-se a si mesmo e foi obediente até à morte, e morte de cruz

Romanos 8.11 (NVI)
E, se o Espírito daquele que ressuscitou Jesus dentre os mortos habita em vocês, aquele que ressuscitou a Cristo dentre os mortos também dará vida a seus corpos mortais, por meio do seuEspírito, que habita em vocês

Glaysom disse...

Unidade

Apesar da distinção entre as pessoas, existe uma perfeita concordância, nenhuma das pessoas age independente das outras e, onde um está, o outro também está, pois quanto a sua essência, Deus é um. As três pessoas são iguais no ser, no poder e na glória. Cada um sendo chamado de Deus (Jo 6.27, Hb 1.8, At 5.3-4), cada um possuindo atributos divinos (Tg 1.17, Hb 13.8, Hb 9.14), cada um praticando obras divinas (At 3.15, Jo 5.21, Rm 8.11) e cada um recebendo honras divinas (2Co 1.3, Jo 5.23, Mt 12.31).

SENDO CHAMADO DE DEUS

Deus Pai – João 6.27 (NVI)
Não trabalhem pela comida que se estraga, mas pela comida que permanece para a vida eterna, a qual o Filho do homem lhes dará.Deus, o Pai, nele colocou o seu selo de aprovação”.

Deus Filho – Hebreus 1.8 (NVI)
Mas a respeito do Filho, diz: “O teu trono, ó Deus, subsiste para todo o sempre; cetro de equidade é o cetro do teu Reino.

Deus Espírito Santo – Atos 5.3-4
Então perguntou Pedro: “Ananias, como você permitiu que Satanás enchesse o seu coração, a ponto de você mentir ao Espírito Santo e guardar para si uma parte do dinheiro que recebeu pela propriedade? Ela não lhe pertencia? E, depois de vendida, o dinheiro não estava em seu poder? O que o levou a pensar em fazer tal coisa? Você não mentiu aos homens, mas sim a Deus

POSSUINDO ATRIBUTOS DIVINOS

Deus Pai (imutabilidade) – Tiago 1.17 (NVI)
Toda boa dádiva e todo dom perfeito vêm do alto, descendo do Pai das luzes, que não muda como sombras inconstantes.

Deus Filho (imutabilidade) –Hebreus 13.8 (NVI)
Jesus Cristo é o mesmo, ontem, hoje e para sempre.

Deus Espírito Santo (eternidade) – Hebreus 9.14 (NVI)
Quanto mais, então, o sangue de Cristo, que pelo Espírito eterno se ofereceu de forma imaculada a Deus, purificará a nossa consciência de atos que levam à morte, de modo que sirvamos ao Deus vivo!

REALIZANDO OBRAS DIVINAS

Atos 3.15 (NVI)
Vocês mataram o autor da vida, mas Deus o ressuscitou dos mortos. E nós somos testemunhas disso.

João 5.21 (NVI)
Pois, da mesma forma que o Pai ressuscita os mortos e lhes dá vida,o Filho também dá vida a quem ele quer dá-la.

Romanos 8.11 (NVI)
E, se o Espírito daquele que ressuscitou Jesus dentre os mortos habita em vocês, aquele que ressuscitou a Cristo dentre os mortos também dará vida a seus corpos mortais, por meio do seu Espírito, que habita em vocês.

RECEBENDO HONRAS DIVINAS

2 Coríntios 1.3 (NVI)
Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, Pai das misericórdias e Deus de toda consolação.

João 5.23 (NVI)
Para que todos honrem o Filhocomo honram o Pai. Aquele que não honra o Filho, também não honra o Pai que o enviou.

Mateus 12.31 (NVI)
Por esse motivo eu lhes digo: todo pecado e blasfêmia serão perdoados aos homens, mas a blasfêmia contra o Espírito não será perdoada

Glaysom disse...

AT vs NT

O que muitas pessoas questionam é que no Novo Testamento a trindade fica muito evidente, principalmente com a declaração da divindade de Jesus e da divindade do Espírito Santo, mas e no Antigo Testamento, já que nossa base tem que ser toda a Bíblia?

Há um só Deus

Algo que a Bíblia deixa muito claro é que há um só Deus! Nós encontramos essa afirmação, tanto no Antigo Testamento (Dt 6.4) quanto no Novo Testamento (Mc 12.29-30, Rm 3.30).

Deuteronômio 6.4 (NVI)
Ouça, ó Israel: O Senhor, o nosso Deus, é o único Senhor

Marcos 12.29-30 (NVI)
Respondeu Jesus: “O mais importante é este: ‘Ouve, ó Israel, o Senhor, o nosso Deus, o Senhor é oúnico Senhor. Ame o Senhor, o seu Deus de todo o seu coração, de toda a sua alma, de todo o seu entendimento e de todas as suas forças’.

Romanos 3.30 (NVI)
Visto que existe um só Deus, que pela fé justificará os circuncisos e os incircuncisos.

Revelação progressiva

Nós temos que lembrar que a Bíblia é uma revelação progressiva (Ef 3.3-5) E talvez uma exposição mais explícita da Trindade no Antigo Testamento poderia causar algum tipo de confusão, principalmente por causa da grande tendência politeísta da época. Mas quando nós lemos o Antigo Testamento à luz do Novo Testamento, nós podemos perceber claramente essa natureza triúna de Deus. Seja por passagens em que Deus se refere a si mesmo no plural (Gn 1.26, Is 6.8, Gn 11.6-7), ou pelo uso palavras com sentido composto.

Efésios 3.2-5 (NVI)
Certamente vocês ouviram falar da responsabilidade imposta a mim em favor de vocês pela graça de Deus, isto é, o mistério que me foi dado a conhecer por revelação, como já lhes escrevi brevemente.
Ao lerem isso vocês poderão entender a minha compreensão do mistério de Cristo. Esse mistérionão foi dado a conhecer aos homens doutras gerações, mas agora foi revelado pelo Espírito aos santos apóstolos e profetas de Deus.

Juízes 2.12 (NVI)
Abandonaram o Senhor, o Deus dos seus antepassados, que os havia tirado do Egito, e seguiram e adoraram vários deuses dos povos ao seu redor, provocando a ira do Senhor.

Gênesis 1.26 (NVI)
Então disse Deus: “Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança. Domine ele sobre os peixes do mar, sobre as aves do céu, sobre os animais grandes de toda a terra e sobre todos os pequenos animais que se movem rente ao chão”.

Isaías 6.8 (NVI)
Então ouvi a voz do Senhor, conclamando: “Quem enviarei? Quem irá por nós?” E eu respondi: “Eis-me aqui. Envia-me!”

Gênesis 11.6-7 (NVI)
E disse o Senhor: “Eles são um só povo e falam uma só língua, e começaram a construir isso. Em breve nada poderá impedir o que planejam fazer. Venham,desçamos e confundamos a língua que falam, para que não entendam mais uns aos outros.”

Glaysom disse...

A Trindade em Gênesis 1.1

Um exemplo de palavra utilizada no sentido composto está no primeiro versículo da Bíblia que diz: “No princípio criou Deus o céu e a terra” (Gn 1.1), a palavra utilizada aqui para Deus, é Elohim. E Elohim é um termo plural, é diferente de El. El é o termo singular.

Gênesis 1.1 (hebraico transliterado)
Bereshit bara Elohim et hashamayim ve’et ha’aretz.

A Trindade no Shema Hebreu

Já na principal passagem utilizada para afirmar o monoteísmo bíblico, Dt 6.4 diz: “Ouça ó Israel, o Senhor teu Deus é o único Deus”. A palavra “único”, no original, é Echad. Echad é uma unidade composta, é a mesma palavra utilizada pra dizer que o homem e a mulher se tornarão uma só carne (duas pessoas – uma só carne), isso é uma unidade composta. É diferente de Yachid. Yachid é uma unidade absoluta, utilizada para “único filho” por exemplo (Gn 2.24).

Deuteronômio 6.4 (hebraico transliterado)
Shema Yisrael Adonay Eloheynu Adonay Echad

Gênesis 2.24 (NVI)
Por essa razão, o homem deixará pai e mãe e se unirá à sua mulher, e eles se tornarão uma só carne.

Gênesis 2.24 (hebraico transliterado)
Al ken yaazav ysh et avyv veet imo vedavaq beisheto vehayu echad

Gênesis 22.2 (NVI)
Então disse Deus: “Tome seu filho, seu único (Yachid) filho, Isaque, a quem você ama, e vá para a região de Moriá. Sacrifique-o ali como holocausto num dos montes que lhe indicarei”.

A Trindade na criação do homem

E uma das passagens em que em que Deus se refere a si mesmo no plural, é na criação do homem: “Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança” (Gn 1.26).

Aqui nos vemos claramente (1) que a criação foi planejada; (2) que havia alguém ao lado de Deus; (3) que esse alguém vivia em harmonia com Deus, porque ele não diz “faça” (como se fosse uma ordem) e nem “faremos” (como se fosse algo que ele já tinha decidido); (4) alguém igual a Deus, porque ele diz: conforme à nossa imagem.

A Trindade em Isaías 48.16

E nós também podemos observar a natureza triúna de Deus em Isaías 48.16, onde Deus declara: “Eu [Jesus] estava ali, e o Senhor Deus [Deus Pai] me enviou a mim, e a seu Espírito [Espírito Santo]”.

Analogias

Se mesmo assim continua sendo algo difícil entender como que 3 pode ser 1, talvez algumas analogias possam ajudar. Lembrando que analogia são pontos semelhantes entre coisas diferentes, mas podem nos ajudar a compreender um pouco melhor a trindade.

Como por exemplo o SOL, o Sol é um só, mas ele é composto de fogo, luz e calor. Você não consegue olhar diretamente para o Sol, mas vê o que ele ilumina e você sente o calor do Sol.

Já o TEMPO, que pode ser passado, presente ou futuro. E as vezes é difícil saber o que é passado, o que é presente e o que é futuro. Por exemplo: eu estamos falando aqui é presente? Ou é passado porque já falamos? Ou é futuro pra quem ainda não leu o texto?

Outra analogia interessante vem da matemática, onde 1 + 1 + 1 = 3, porém,1 x 1 x 1 = 1.

Aspecto prático da Trindade

E algo que a não podemos deixar de levar em conta é o aspecto prático da Trindade. Por exemplo: o amor depende de relacionamento (1Jo 4.16). Se Deus não tivesse amado alguém antes da criação, ele só saberia o que é amar após ter criado alguma coisa, desta forma, ele teria aprendido algo e não seria perfeitamente imutável (Mq 3.6).

Quem Deus poderia ter amado antes da criação se nada existia a não ser ele próprio? Ou com quem que Deus poderia ter se relacionado antes da criação se não havia ninguém com quem ele pudesse se relacionar?

1 João 4.16 (NVI)
Nós conhecemos, e cremos no amor que Deus nos tem. Deus é amor; e quem está em amor está em Deus, e Deus nele.

Malaquias 3.6 (ACF)
Porque eu, o Senhor, não mudo; por isso vós, ó filhos de Jacó, não sois consumidos.
É por isso que o Deus que conhecemos sempre existiu em três pessoas. Se Deus não fosse trino, ele não poderia ter a natureza e os atributos que revelou possuir.

Glaysom disse...

A Trindade como um mistério

A trindade ou triunidade de Deus é um grande mistério, algo totalmente além da possibilidade de uma explicação completa. Como por exemplo o primeiro versículo de João, que diz que Jesus estava com Deus e era Deus (Jo 1.1), como alguém pode estar com alguém e ser alguém ao mesmo tempo?

João 1.1 (ACF)
No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus.

Vivendo a Trindade

Mas mesmo com esse desafio intelectual, o verdadeiro cristão vive a Trindade, ele conhece o amor e a justiça do Pai, ele tem Jesus Cristo como seu Senhor, salvador, melhor amigo e ele experimenta a comunhão e a consolação do Espírito Santo (2Co 13.14).

2 Coríntios 13.14 (NVI)
Que a graça do Senhor Jesus Cristo, o amor de Deus, e a comunhão do Espírito Santo seja sobre cada um de vós.

“Portanto ide e fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo”. Mt 28.20 (ACF)

Glaysom disse...

Em nenhum lugar das Escrituras encontro esta ideia. Cristo morreu na cruz como Homem (embora sendo Deus), mas Ele entregou Sua vida de Homem. Deus manteve-Se inalterado, e até O abandonou na cruz. Daí as trevas e o "Deus Meu por que Me desamparaste?" Creio que Ele não tenha ficado totalmente sozinho na cruz pois o Pai estava com Ele.

Que Deus O abandonou, temos isto escrito. Que o Pai ficou com Ele, vemos em tipo Abraão indo até o monte do sacrifício junto com o filho que carregava o lenho. Mas em nenhuma instância vemos que Deus tenha algum dia morrido.

A idéia de alguns de que o Senhor Jesus tenha sido morto pela lança do soldado (por hemorragia) ou por asfixia por ficar ali pendurado, também não tem fundamento bíblico. Há um texto circulando pela Internet, escrito por um médico, que descreve a morte de Cristo do ponto de vista médico, mas também não tem fundamento na Bíblia.

O Senhor estava morto quando Seu lado foi furado pela lançaa. "Mas vindo a Jesus, e vendo-O já morto, não Lhe quebraram as pernas (para morrer por asfixia). Contudo um dos soldados Lhe furou o lado com uma lançaa, e logo saiu sangue e água" Jo 19.33,34 O sangue que limpa nossos pecados é o sangue de um morto e não de um vivo. Era com sangue de um animal morto que o sacerdote entrava no santuário.

Não foi o sangue da coroa de espinhos, nem das mãos ou dos pés, mas o sangue do lado, do Cordeiro morto, que nos salvou. Ninguem matou o Senhor. Ele entregou a vida, um poder que não temos em nós mas que Ele recebeu do Pai. Ninguém podia tirar a vida dEle. Ele não estava sujeito à morte. Este é o mistério: Ele entregou Sua vida e morreu. Nenhum ser humano tem esse poder de simplesmente entregar sua vida.

Glaysom disse...

Em nenhum lugar das Escrituras encontro esta ideia. Cristo morreu na cruz como Homem (embora sendo Deus), mas Ele entregou Sua vida de Homem. Deus manteve-Se inalterado, e até O abandonou na cruz. Daí as trevas e o "Deus Meu por que Me desamparaste?" Creio que Ele não tenha ficado totalmente sozinho na cruz pois o Pai estava com Ele.

Que Deus O abandonou, temos isto escrito. Que o Pai ficou com Ele, vemos em tipo Abraão indo até o monte do sacrifício junto com o filho que carregava o lenho. Mas em nenhuma instância vemos que Deus tenha algum dia morrido.

A idéia de alguns de que o Senhor Jesus tenha sido morto pela lança do soldado (por hemorragia) ou por asfixia por ficar ali pendurado, também não tem fundamento bíblico. Há um texto circulando pela Internet, escrito por um médico, que descreve a morte de Cristo do ponto de vista médico, mas também não tem fundamento na Bíblia.

O Senhor estava morto quando Seu lado foi furado pela lançaa. "Mas vindo a Jesus, e vendo-O já morto, não Lhe quebraram as pernas (para morrer por asfixia). Contudo um dos soldados Lhe furou o lado com uma lançaa, e logo saiu sangue e água" Jo 19.33,34 O sangue que limpa nossos pecados é o sangue de um morto e não de um vivo. Era com sangue de um animal morto que o sacerdote entrava no santuário.

Não foi o sangue da coroa de espinhos, nem das mãos ou dos pés, mas o sangue do lado, do Cordeiro morto, que nos salvou. Ninguem matou o Senhor. Ele entregou a vida, um poder que não temos em nós mas que Ele recebeu do Pai. Ninguém podia tirar a vida dEle. Ele não estava sujeito à morte. Este é o mistério: Ele entregou Sua vida e morreu. Nenhum ser humano tem esse poder de simplesmente entregar sua vida.

Glaysom disse...

Em nenhum lugar das Escrituras encontro esta ideia. Cristo morreu na cruz como Homem (embora sendo Deus), mas Ele entregou Sua vida de Homem. Deus manteve-Se inalterado, e até O abandonou na cruz. Daí as trevas e o "Deus Meu por que Me desamparaste?" Creio que Ele não tenha ficado totalmente sozinho na cruz pois o Pai estava com Ele.

Que Deus O abandonou, temos isto escrito. Que o Pai ficou com Ele, vemos em tipo Abraão indo até o monte do sacrifício junto com o filho que carregava o lenho. Mas em nenhuma instância vemos que Deus tenha algum dia morrido.

A idéia de alguns de que o Senhor Jesus tenha sido morto pela lança do soldado (por hemorragia) ou por asfixia por ficar ali pendurado, também não tem fundamento bíblico. Há um texto circulando pela Internet, escrito por um médico, que descreve a morte de Cristo do ponto de vista médico, mas também não tem fundamento na Bíblia.

O Senhor estava morto quando Seu lado foi furado pela lançaa. "Mas vindo a Jesus, e vendo-O já morto, não Lhe quebraram as pernas (para morrer por asfixia). Contudo um dos soldados Lhe furou o lado com uma lançaa, e logo saiu sangue e água" Jo 19.33,34 O sangue que limpa nossos pecados é o sangue de um morto e não de um vivo. Era com sangue de um animal morto que o sacerdote entrava no santuário.

Não foi o sangue da coroa de espinhos, nem das mãos ou dos pés, mas o sangue do lado, do Cordeiro morto, que nos salvou. Ninguem matou o Senhor. Ele entregou a vida, um poder que não temos em nós mas que Ele recebeu do Pai. Ninguém podia tirar a vida dEle. Ele não estava sujeito à morte. Este é o mistério: Ele entregou Sua vida e morreu. Nenhum ser humano tem esse poder de simplesmente entregar sua vida.