Total de visualizações de página

quinta-feira, 27 de maio de 2010

Trindade

Sandra Mara Oliveira

A teoria da Trindade é um conhecimento especulativo sistematizado de opiniões e idéias sobre o assunto. Na realidade o termo trindade não é encontrado no Segundo Testamento.

A única declaração que a teologia cristã encontra, como base para tentar explicar a trindade se encontra no Livro de João, confira:

I João 5:7-8 - "Pois, três são os que dão testemunho no céu: o Pai, a Palavra e o Espírito Santo; e estes três são um. E três são os que dão testemunhos na terra: e estes três concordam".

Não há nenhum documento com uma definição clara de trindade. Os escritores e estudiosos da Bíblia Sagrada rejeitam enfaticamente a genuinidade do texto I Jo 5:7-8.

O vocábulo trindade evidentemente foi usado pela primeira vez por Tertuliano - Homem versado na filosofia, direito e literatura. Nascido na província romana de Cartago na África. Converteu-se, e serviu como presbítero em sua cidade natal. Foi o mais rigoroso e mais intransigente dos primeiros apologistas cristãos. Atacava incansavelmente o paganismo, mas no fim da vida, tornou-se membro do movimento montanista, que os principais cristãos consideravam como heresia.

Na última década do século II D.C, a doutrina da trindade formulada por Tertuliano, não encontrou lugar na teologia formal da igreja até o século IV D.C – período em que a doutrina recebeu ampla expressão, pela primeira vez, resultante do conjunto de regras e leis sistematicamente organizadas, para servir de base a doutrina da trindade em meados do século IV D.C pelos capadócios Gregório de Nissa e Gregório Nazianzeno. Trabalharam em fórmulas ortodoxas da trindade, e a declaração resultante foi oficializada pelo Concílio de Constantinopla em 381 D.C. Ainda antes, tal como no credo de Nicéia, declarou-se oficialmente em favor da idéia, e fez o trinitarismo tornar-se a posição ortodoxa. Esse fato ocorreu em 325 D.C.

Nos escritos dos chamados pais da igreja, Inácio, Irineu e Origines, encontram-se fórmulas e regras, leis que serviram de apoio para o desenvolvimento histórico dessa doutrina, cujo objetivo era satisfazer um grupo de teólogos que desenvolviam uma obra erudita. Tomás de Aquino, Karl Barth foram notáveis defensores desse conceito que, na ortodoxia cristã, continua a prevalecer.

David Flusser – "Acredito que a erudição sabia, sem partidarismo, remove obstáculos e pavimenta o caminho para a verdade e para a compreensão mútua. Porém, o confronto entre lados opostos por causa de uma doutrina como a da trindade, é menos honesto e menos durável do que a busca pela verdade" - "Porque estreita é a porta e difícil o caminho que conduz à vida e são poucos que a encontram". (Mt 4:14)

A Torah ensina:

Deuteronômio 4:35 - "A ti te foi mostrado para que soubesses que o Eterno, Ele, o Elohim, nenhum outro, exceto Ele".

O profeta Isaias diz:
"Eu sou o Eterno, e não há outro fora de Mim não há D'us. Eu te fortalecerei, ainda que não me conheces". (Is 45:5)

Marcos 12:29 – "Respondeu-lhe Yeshua: O principal de todos os mandamentos é: Ouve ó Israel, o Eterno nosso Elohim, é o único D'us".  

I Coríntios 8:4 - "Quanto ao comer das coisas sacrificadas aos ídolos, sabemos que o ídolo nada é no mundo e que não há outro Elohim, senão um, só".

É verdade que a Igreja do primeiro século, vivia sem uma teologia sofisticada e não era formada por uma ortodoxia1 central e todo-poderosa.

1Ortodoxo: aquele que é rígido em suas convicções, que está conforme uma doutrina definida. Nós podemos assumir uma posição ortodoxa em qualquer domínio.

Com certeza, os primeiros crentes não formularam nenhum conceito de trindade – reconheciam Yeshua (Jesus, o Messias) como Salvador e também como Divino. O profeta Isaias declara:

Isaías 9:6 - "Porque um menino vos nasceu, um filho se nos deu; o principado está sobre os seus ombros, e o seu nome será: Maravilhoso, conselheiro, Elohim, forte, Pai da Eternidade, príncipe da paz".

Miquéias 5:2 - "Mas tu, Belém Efrata, posto que pequena entre milhares de Judá, de ti me sairá àquele que há de reinar em Israel, e cujas saídas são desde os tempos antigos, desde os dias da eternidade".

Colossenses 2:9 - "Pois Nele habita corporalmente toda a plenitude da Divindade".

Hebreus 1:3 - "O filho é o resplendor da sua glória, e a expressa imagem da sua pessoa, sustentando todas as coisas pela palavra do seu poder. Havendo feito por si mesmo a purificação dos nossos pecados, assentou-se à destra da majestade nas alturas".

Não há como explicar com palavras humanas essa unidade: Pai, Filho e Espírito Santo, pois envolve uma dimensão do conhecimento e da verdade que as nossas mentes não conseguem atingir. Mas na "... Fé temos a certeza das coisas que se esperam e a prova das coisas que não se vêem. Foi por ela que os antigos alcançaram bom testemunho." (Hb 11:1-2)

Portanto, qualquer debate a respeito da trindade, é ineficaz, pois, como já comentamos nem o termo trindade é encontrado no Segundo Testamento. Devemos procurar seguir o conselho de Paulo a Timóteo.

I Timóteo 1:4 - "Não se ocupasse com fábulas ou genealogias intermináveis, que antes produzem controvérsias do que o serviço de Elohim na fé".

A Congregação Rechovot tem buscado empregar toda diligência para fazer conforme o modelo da Igreja do primeiro século; sabendo que deixamos muito a desejar no que tange a satisfazer completamente o som perfeito, porém, avançamos por fé "... para ver se de alguma maneira posso incitar ao ciúme os da minha carne, e salvar alguns deles". (Rm 11:14)

Marcos 12:29- "Ouve, o Israel, o Eterno nosso Elohim é o único".

Nenhum comentário: