Total de visualizações de página

terça-feira, 16 de novembro de 2010

O Messianismo Catastrófico e as Origens do Cristianismo


 

Francisco Chagas Vieira Lima Júnior1


 


 

Resumo: O presente trabalho tem como objetivo apontar a precedência do chamado "messianismo catastrófico" em relação às tradições cristãs, enfatizando que a crença no messias filho de José/Efraim possui antiguidade pré-cristã e que não se trata de uma concepção messiânica derivada do cristianismo.

Palavras-chave: Messias. Cristianismo primitivo. Efraim. Revelação de Gabriel.

Abstract: This work aims to point out the precedence of the so-called "catastrophic messianism" in relation to Christian traditions, emphasizing the belief at Messiah son of Joseph/Ephraim is pre-Christian and that it is not a messianic conception derived from Christianity.

Keywords: Messias. Primitive Christianity. Ephraimi. Revelation of Gabriel.


 


 

Acreditava-se, até recentemente, que os judeus da Palestina judaica da época de Jesus concebiam a vinda de um só messias, o messias "filho de Davi", que restauraria a realeza. No entanto, novas descobertas - e com elas novas interpretações sobre o imaginário judaico-cristão primitivo - têm mudado essa visão. Mediante essas descobertas, os pesquisadores se tornaram cada vez mais dispostos a conceberem o messianismo judaico da época de Jesus como pluriforme e variado, existindo não só uma ou duas, mas inúmeras concepções sobre o messias. O presente trabalho traz alguns apontamentos sobre o chamado "messianismo catastrófico", sua antiguidade e sua relação com as tradições cristãs. Esperamos contribuir também para apagar os mitos de que os judeus do primeiro século não foram capazes de conceber um messias que morre e que a concepção messiânica na época de Jesus era homogênea.


 

1. Repensando o Messianismo

Não foram poucos os estudiosos que alegaram que a ideia de um messias sofredor, cujo destino era ser humilhado e assassinado, era uma ideia estranha às tradições messiânicas existentes na Palestina judaica do século I d.C. Rudolf Bultmann (apud, KNOHL, 2001: 16) talvez tenha sido o estudioso que mais contribuiu para a disseminação dessa visão: "a ideia de um Messias, ou filho do Homem, sofredor, morrendo e ressuscitando era desconhecida no judaísmo". Geza Vermes (2006: 215), por sua vez, não deixa dúvidas de que o modelo de messias que morre é posterior à escrita dos Evangelhos bíblicos:


 

A representação do Messias assassinado da tribo de Efraim, ocasional- mente mencionado na literatura rabínica [...] é de pouca valia para o estudo dos Sinóticos. [...] Como nenhum texto fale do Messias assassina- do anterior à segunda revolta judaica contra Roma durante o reino de Adriano (132-5 d.C.), é provável que a figura tenha sido moldada a partir do líder derrotado daquela rebelião, Simon bar Kosiba, que foi morto na batalha de Betar em 135 d.C. Assim, ele não se qualifica cronologica- mente como modelo potencial para o Messias dos Evangelhos.


 


 

1 Graduando do curso História Licenciatura – Universidade Estadual do Maranhão - Centro de Estudos

Superiores de Imperatriz (UEMA/CESI), 8° período. E-mail: jrcoffer@hotmail.com

69

 

Com freqüência a literatura rabínica faz menção a um messias chamado "Messias ben Efraim", também chamada de "Filho de José" ou "Filho de Efraim", que deveria morrer para salvar Israel. O Talmude Babilônico, Sukka 52a, que geralmente é concebido como a primeira referência ao messias filho de José na literatura rabínica, traz o seguinte texto:


 

"E a terra pranteará, família por família à parte. A família da casa de Davi à parte e suas mulheres à parte" (Zc 12:12). [...] Qual é a causa do luto? Rabi Dosa e os rabinos diferem. Um diz: "É por causa do Messias ben José que foi assassinado"; [...] por isso é que está escrito: "e eles olharão para mim. Quanto àquele que eles transpassaram, eles o lamentarão como se fosse a lamentação de um filho único; eles o chorarão como se chora um primogênito (Zc 12,10) [...] Nossos rabis nos ensinaram: O Santo, Bendito seja Ele, dirá ao Messias filho de Davi (que ele possa se revelar o mais breve possível em nossos dias!): "Peça-me qualquer coisa e eu lhe darei" (Salmos 2) [...] Mas quando ele perceber conta de que o Messias Filho de José está morto, ele dirá: "Senhor do universo, peço de você somente o dom da vida" (cf. MITCHELL, 2006: 77, 83).


 

No entanto, a escritura do Talmude só começou nos séculos posteriores ao cristianismo e, portanto, conforme o exposto por Geza Vermes, o Messias Filho de José pode ser uma invenção judaica criada a partir de Jesus para competir com o cristianismo. Em todo caso, tal modelo de messias era concebido pelos estudiosos como bastante tardio para ser capaz de trazer alguma contribuição aos estudos sobre o cristianismo primitivo, e foram muitos os especialistas que viram na figura messiânica de Efraim, ou Messias filho de José, uma "cópia" deliberada da figura messiânica de Jesus apresentada nos Evangelhos, e por isso não lhe deram crédito e muito menos antiguidade.

No entanto, como ressalta Scardelai (1998: 120): "O caráter da doutrina messiânica no tempo de Jesus é marcado pela fluidez e espontaneidade, além da quase total ausência de princípios doutrinários cristalizados". Em outras palavras, não se deve esperar que o messianismo palestino-judaico do primeiro século apareça com uma só forma. Um desses modelos seria o do "servo sofredor", tal como apresentada no texto do profeta Isaías (53.3-5) que o retrata como justo, manso e humilde:


 

Era desprezado e abandonado pelos os homens, homem sujeito à dor, familiarizado com o sofrimento, como pessoa de quem todos escondem o rosto; desprezado, não fazíamos caso nenhum dele. E, no entanto, eram nossos sofrimentos que ele levava sobre si, nossas dores que ele carre- gava. [...] Mas ele foi trespassado por causa das nossas transgressões, esmagado por causa das nossas iniqüidades. O castigo que havia de trazer-nos a paz, caiu sobre ele, sim, por suas feridas fomos curados.


 

Flusser (apud, SCARDELAI, 1998: 299), erroneamente, afirma que a ideia do

messias como o "servo sofredor" de Isaías foi exclusiva do cristianismo:


 

A exegese cristã privilegiou o significado vicário do sofrimento de Jesus, à luz da figura do "servo", retratado por Isaías, uma abordagem rejeitada pe- lo judaísmo normativo. A exegese judaica não aplica a imagem do "servo de Isaías" às qualificações pessoais messiânicas, exceto se aí estiver pre- sente a figura do próprio Israel coletivo, o "servo de Deus" por excelência.


 

No entanto, essa visão é equivocada. Knohl (2001: 38) afirma que: "[...] a interpretação messiânica de Isaias 53 [sobre o "servo sofredor"] não foi descoberta na igreja cristã. Ela já havia sido desenvolvida pelo Messias de Qumrã". O movimento de


 

70

 

Qumrã, de acordo com Knohl (2001: 28, 31), já trazia a ideia de que o messias iria padecer, mas que também seria glorificado, que consta nos "Hinos Messiânicos dos Manuscritos do Mar Morto":


 

"[Quem] foi desprezado como [eu? E quem] foi rejeitado [pelos homens] como eu? Quem, como eu, suport[ou todas as] aflições? Quem se compa- ra a mim [na resist]ência do mal? [...] [Q]uem foi considerado desprezível como eu e, no entanto, quem é igual a mim em minha glória?"


 

Tendo essa ideia sido explorada, juntamente com a do messias levítico, antes mesmo do cristianismo vir a existir, é lógico conceber que vários movimentos messiâ- nicos e apocalípticos dos primeiros séculos compartilhavam dessas mesmas crenças.

De acordo com Mitchell (MITCHELL, 2008 [online]), esse modelo de "servo sofredor" foi o principal inspirador de um tipo de messianismo diferente do messianismo real e sacerdotal, e que podemos encontrar indícios da existência da crença nesse messias nos Manuscritos de Qumrã. Esse modelo foi chamado de "messianismo efraimita-josefita", ou "Messias filho de Efraim/José".

Para provar a existência desse messias, Mitchell (2008: 03 [online]), compara as afirmações do Talmude Sukka 52b, que faz menção a quatro personagens escatológicos, chamados de "Os Quatro Artesãos", com o manuscrito de Qumrã de

4Q175 (4QTestimonia), uma antologia messiânica e coleção de textos bíblicos

fundamentais ou "testemunhos", relacionadas com a crença messiânica. O Talmude

Sukka 52b (In: MITCHELL, 2008: 03 [online]) traz a seguinte passagem:


 

E o Senhor me mostrou quatro chifres (Zac 2.3 [1.18]). O que são esses quatro chifres? R. Hana B. Bizna cita o R. Simeon Hasida que responde: O Messias filho de David, o Messias filho de José, Eliahu (Elias) e o Sacerdote Justo. R. Shesheth objetou…, estes quatro personagens estão relacionados com o exílio diaspórico.


 

Desse modo, esses "quatro artesãos" se referem a: 1) o "Messias filho de Davi"; 2) o "Sacerdote Justo", ou "Melchizedek" (Melquisedeque); 3) Elias; 4) o "Messias da Guerra", que se refere ao "Messias filho de José".

Segundo Mitchell (2008: 06 [online]), de modo surpreendentemente idêntico, o manuscrito de Qumrã de 4Q175 (4QTestimonia), traz uma menção dos "Quatro Artesãos" apresentados na mesma ordem: o profeta, o rei, o sacerdote e o guerreiro, como libertadores escatológicos, começando suas correspondentes referências bíblicas: (1) Deut. 18.18-19, que discorre sobre o profeta como Moisés (profeta), (2) Num 24.15-17, que alude à estrela que sai de Jacó (rei); (3) Deut. 33.8-11, que menciona a bênção dos Levitas (sacerdote); (4) Josué 6.26, que menciona a maldição de Josué a Jericó, seguido de uma passagem do "Apócrifo Josué", também chamado de "Salmos de Josué" (4Q379) outro documento encontrado em Qumrã.


 

Comparação entre Os Quatro Artesãos da literatura rabínica e 4Q175

4Q175 (Qumrã)

Profeta

Rei Messias

Sacerdote

Josué, Messias da

Guerra (filho de

José)

Os Quatro Artesãos da tradição rabínica

Profeta

Rei Messias

Sacerdote

Messias da Guerra

filho de José

Diagrama 01: Os Quatro Artesãos & 4Q175 Fonte: Mitchell, The Fourth Deliverer, p. 4.


 


 

De acordo com Mitchell (2008: 02, 03 [online]), as implicações messiânicas que surgem no quarto depoimento a respeito de Josué não devem ser desprezadas:


 

71

Nenhum comentário: