Total de visualizações de página

sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

COISAS PARA SEREM LEMBRADAS NO NATAL CRISTÃO

    Escrito por Elhanan Ben Avraham - ISRAEL    


 

Grande parte da população mundial já começa a comemorar o nascimento de um judeu chamado Yeshua (mais tarde chamado Jesus), que nasceu de uma mãe judia chamada Miriam (chamada mais tarde de Maria). Como todo judeu,ele foi circuncidado ao oitavo dia de vida e viveu quase todos os seus dias na Terra de Israel. Morreu e ressuscitou em Jerusalém. Ele foi crucificado pelos romanos como "O Rei dos Judeus". Ele viveu como um judeu de acordo com a Torá e manteve todos os costumes judaicos do povo judeu. Todos os seus discípulos eram judeus e todos viveram de acordo com a Torá, incluindo a guarda do Shabat (sétimo dia) e as leis alimentares (Kashrút). De acordo com o Livro dos Atos, havia dezenas de milhares de judeus crentes em Yeshua em Israel, incluindo judeus ortodoxos. Todos os seus seguidores eram "zelosos da lei". Outros Judeus escreveram todos os feitos e ensinos da vida de Jesus, entre tais feitos a promessa em se fazer uma Nova Aliança com a casa de Judá e Israel, de acordo com o que foi dito pelo profeta Jeremias (cap. 31:31). Tal Aliança foi compilada e deu origem ao que é conhecido hoje como o "Novo Testamento".

O primeiro grupo de seguidores de Jesus eram apenas Judeus. Foram esses apóstolos judeus que levaram as Boas Novas da graça do D'us de Israel para os não-judeus das nações da Terra. Um dos seguidores de Jesus chamado Shaul (chamado em latim "Paulus"), foi o apóstolo judeu escolhido por Jesus para ensinar aos gentios. Paulo descreve a si mesmo no Novo Testamento dizendo: "Eu sou judeu". Ele guardava a Torá e viveu todos os dias de sua vida mantendo os costumes e tradições de seus pais e seu povo (como Jesus e todos os judeus que o seguiam). Está determinado por D-us que Yeshua (Jesus) deverá retornar como o "Leão da tribo de Judá", ou seja, ainda como um judeu.

Infelizmente, esses fatos foram virtualmente escondidos pelos cristãos atrás de uma névoa de costumes e festividades de origens pagãs as quais estão repletas de anti-semitismo. Mas, me alegro em ver que este véu está lentamente sendo retirado do rosto de muitos cristãos, e esse fato também ajudará a retirar outro véu que também está sobre os olhos do meu povo, o povo judeu. Este meu povo está agora novamente reunido por D'us na Terra Prometida e de posse novamente de Jerusalém, após 2000 de exílio. Muitos desses judeus hoje em Israel são verdadeiramente zelosos para com o D'us de Israel e aguardam diariamente e fielmente a vinda do Messias.

Por isso, peço a todos: orem pelo o povo judeu e pela paz de Jerusalém!


 

Shalom,

Elhanan Ben Avraham

Jerusalém - ISRAEL

domingo, 19 de dezembro de 2010

Devemos celebrar o Ano Novo ʻSecularʼ?

Por Shaʼul Bentsion


 


 


 

I - Introdução


 

"    Desde os primórdios, as Escrituras nos advertem a não adotarmos os costumes de povos pagãos, e nos diz que devemos nos abster de práticas cuja origem esteja na idolatria:


 

"Quando entrares na terra que YHWH teu Elohim te der, não aprenderás a fazer conforme as abominações daquelas nações." (Devarim/Deuteronômio 18:9)


 

"Assim diz YHWH: Não aprendais o caminho dos gentios, nem vos espanteis dos sinais dos céus; porque com eles se atemorizam as nações. Porque os costumes dos povos são vaidade" (Yirmiyahu/Jeremias 10:2-3)


 

"    Aos israelitas que servem ao Mashiach Yeshua, Shaʼul (Paulo) devem se manter distantes das práticas pagãs:


 

"Que harmonia há entre o Mashiach e Beliyaʼal? Ou que parte tem o que crê com o que não crê? E que consenso tem o Beit HaMikdash de Elohim com demônios? Pois nós somos Beit HaMikdash do Elohim vivo, como Elohim disse: Neles habitarei, e entre eles andarei; e eu serei o seu Elohim e eles serão o meu povo. Pelo que, saí vós do meio deles e separai-vos, diz YHWH; e não toqueis coisa imunda, e eu vos receberei." (Curintayah Beit/2 Coríntios 6:14)


 

"    Tendo isso em mente, qual deve ser a posição de um seguidor de Yeshua quanto à celebração do Ano Novo? Quando o assunto é a celebração de uma festa de cunho claramente religioso, tal como Natal e a Páscoa Romana, tem-se relativa clareza. Porém, o que dizer dessa festividade aparentemente secular? É lícito um seguidor de Yeshua participar dela?


 

"    Este artigo tem por objetivo investigar as origens e a evolução das práticas dessa festa, a fim de responder a esse questionamento.


 


 


 

II - A Festividade nos Tempos Antigos


 

"    A origem das celebrações do Ano Novo têm origem muito anterior ao Ano Novo propriamente dito, e começaram com as festividades de inverno do império romano do solstício de inverno: Nos tempos mais antigos a Brumália e, posteriormente, a Saturnália.


 

"    Essas celebrações revolviam em torno do dia 25 de dezembro, date teórica do solstício de inverno, e tinham seu fim justamente com a Calendae no dia primeiro de janeiro, mês romano que celebrava o deus Janus. O primeiro dia do reinado do deus Janus indicava justamente o final das festividades de inverno.


 

"    A conexão profunda entre Janus e as festividades de inverno é descrita por Macrobius, filósofo e escritor romano que viveu entre os séculos 4 e 5 DC, escreve sobre a mitologia em torno da celebração da Saturnália:

 

"Foi durante o seu reinado que Saturno subitamente desapareceu, e Janus então estabeleceu uma forma de acrescentar às suas honras. Primeiro ele deu o nome Saturnia a toda a terra que reconhecia o seu governo; e então ele edificou um altar, instituindo ritos como os para um deus e chamou esses ritos de Saturnália - o que demonstra que esse festival é muito mais antigo do que a cidade de Roma. E foi porque Saturno melhorou as condições de vida que, por ordem de Janus, honras religiosas foram dadas a

ele." (Saturnália 1:7:24)


 

"    Portanto, o dia primeiro de janeiro, muito antes de seu estabelecimento como Ano

Novo, já era um dia de grande festividade para os pagãos.


 


 


 

III - O Imperador Muda o Calendário


 

"    No século 1 AC, Julio César mudou o calendário romano, fazendo com que o fim dessas festividades - que eram as mais importantes do império - coincidisse exatamente com o princípio do ano.


 

"    Chris Armstrong, professor de História Eclesiástica, narra o episódio da seguinte forma, em um artigo para a revista Christian History:


 

"    "Como outros festivais cristãos, a celebração do Dia de Ano Novo no oeste começou antes da igreja vir a existir.


 

"    Inicialmente, os romanos celebravam o ano novo no dia primeiro de março, e não no dia primeiro de janeiro. Julio César instituiu o Dia de Ano Novo em primeiro de janeiro para honrar Janus, o deus de duas-faces que olhava para trás, para o ano antigo, e para frente, para o novo. O costume das ʻresoluções de ano novoʼ começou no período mais antigo, com os romanos fazendo resoluções de cunho moral: basicamente, de serem bondosos uns para com os outros."

(Chris Armstrong, "Resolutions Worth Keeping")


 

"    Acima, pode-se ver uma imagem de Janus, com suas características duas faces, que é parte de uma coleção do museu do Vaticano.


 


 


 

IV - Em Substituição à Torá


 

"    Mesmo nos primórdios do Cristianismo, no final do século 2 e início do século 3, a prática já era amplamente realizada, ao ponto de ser condenada por alguns dos chamados "pais da igreja", como Tertuliano, que afirmava:


 


 


 

"Mas para nós, a quem os Shabatot são estranhos, assim como o rosh chodesh e as festas amadas por Elohim, a Saturnália, os festivais de Ano Novo e meio do inverno e a Matronália são frequentados…" (Tertuliano, "Sobre a Idolatria", cap. 14)


 

"    Como podemos ver, os primeiros cristãos abandonaram a prática bíblica das festas de Elohim, e em seu lugar adotaram festas pagãs, como a celebração do Ano Novo de Janus.

 

V - Da Calendae à Festa da Circuncisão


 

"    Como se sabe, a Igreja Romana se apropriou da data do solstício de inverno, data que celebrava o Natalis Solis Invicti (Natal/Nascimento do [deus] Sol Invicto), para proclamar o nascimento de seu ídolo sincrético, um substituto distorcido e adulterado do Mashiach (Messias) das Escriturs.


 

"    Todavia, ao fazer uso de tal data, um dado curioso aconteceu. Como todo judeu, Yeshua foi circuncidado ao oitavo dia, conforme determina a Torá:


 

"O que tem oito dias será circuncidado entre vós, todo macho nas vossas gerações, tanto o escravo nascido em casa como o comprado a qualquer estrangeiro, que não for da tua estirpe. Com efeito, será circuncidado o nascido em tua casa e o comprado por teu dinheiro; a minha aliança estará na vossa carne e será aliança perpétua." (Bereshit/Gênesis 17:12-13)


 

"    Porém, sabe-se pelo relato das Escrituras, que Yeshua nasceu por volta da ocasião da festa de Sukot (Tabernáculo), isto é, por volta do mês de setembro no calendário civil

da atualidade. A escolha da data de 25 de dezembro tem sua razão unicamente no sincretismo religioso com o paganismo do culto ao deus-sol, altamente popular em Roma desde o início do século 2. Os pagãos, conforme atestam alguns autores como Arnóbio de Sica (século 4), tinham por hábito celebrarem o aniversário de seus deuses, algo totalmente estranho à prática das Escrituras - o que está na origem da escolha de tal data, que celebrava o nascimento do deus-sol invicto.


 

"    Coincidentemente, a Calendae, rebatizada por Julio César de "Ano Novo", ocorria oito dias depois do solstício de inverno. Sendo assim, muitos séculos depois, a Igreja Romana passou a alegar que a Calendae seria na realidade a "Festa da Circuncisão", uma festa que marcaria a data da circuncisão do ídolo substituto do Mashiach (Messias) bíblico, e que, como tal, determinaria a "morte do Judaísmo" e o "nascimento de uma nova religião, o Cristianismo."


 

"    Sobre a prática da Festa da Circuncisão, Chris Armstrong relata ainda:


 

"    "Quando Roma tomou o Cristianismo como sua fé oficial, os cristãos passaram a guardar o Dia de Ano Novo... No início do século sexto, partes da igreja começaram a guardar o dia primeiro. de janeiro como a Festa da Circuncisão, comemorando a circuncisão de Jesus... Mas os pagãos aparentemente arruinaram o primeiro de janeiro para muitos cristãos: a igreja romana não aceitou esse dia de festa até o século 11." (ibid)


 

"    Seria irônico, se não fosse trágico, que a circuncisão, momento que indica a primeira mitsvá (mandamento) à qual se submete um menino israelita recém-nascido, fosse tomada como sincretismo para uma festa de absoluta iniquidade. Sobre ela, a Enciclopédia Católica afirma:


 

"    "Na época do paganismo, contudo, a solenização da festa [da circuncisão de Jesus] foi praticamente impossível, em razão das orgias associadas às festividades da Saturnália, que eram celebradas no mesmo período. Até hoje, as características seculares da abertura do Ano Novo interferem com a observância religiosa da [festa da] circuncisão, e tendem a tornar um mero feriado aquilo que deveria ter sido a natureza sagrada do Dia Santo." (Catholic Encyclopedia, "Feast of Circumcision")

sábado, 11 de dezembro de 2010

O QUE A DESOBEDIÊNCIA ALIMENTAR CAUSA?


 

Levítico 11
"E falou o SENHOR a Moisés e a Arão, dizendo-lhes:

Fala aos filhos de Israel, dizendo: Estes são os animais, que comereis dentre todos os animais que há sobre a terra;

Dentre os animais, todo o que tem unhas fendidas, e a fenda das unhas se divide em duas, e rumina, deles comereis.

Destes, porém, não comereis; dos que ruminam ou dos que têm unhas fendidas; o camelo, que rumina, mas não tem unhas fendidas; esse vos será imundo;

E o coelho, porque rumina, mas não tem as unhas fendidas; esse vos será imundo;

E a lebre, porque rumina, mas não tem as unhas fendidas; essa vos será imunda.

Também o porco, porque tem unhas fendidas, e a fenda das unhas se divide em duas, mas não rumina; este vos será imundo.

Das suas carnes não comereis, nem tocareis nos seus cadáveres; estes vos serão imundos.

De todos os animais que há nas águas, comereis os seguintes: todo o que tem barbatanas e escamas, nas águas, nos mares e nos rios, esses comereis.

Mas todo o que não tem barbatanas, nem escamas, nos mares e nos rios, todo o réptil das águas, e todo o ser vivente que há nas águas, estes serão para vós abominação.

Ser-vos-ão, pois, por abominação; da sua carne não comereis, e abominareis o seu cadáver.

Todo o que não tem barbatanas ou escamas, nas águas, será para vós abominação.

Das aves, estas abominareis; não se comerão, serão abominação: a águia, e o quebrantosso, e o xofrango,

E o milhano, e o abutre segundo a sua espécie.

Todo o corvo segundo a sua espécie,

E o avestruz, e o mocho, e a gaivota, e o gavião segundo a sua espécie.

E o bufo, e o corvo marinho, e a coruja,

E a gralha, e o cisne, e o pelicano,

E a cegonha, a garça segundo a sua espécie, e a poupa, e o morcego.

Todo o inseto que voa, que anda sobre quatro pés, será para vós uma abominação.

Mas isto comereis de todo o inseto que voa, que anda sobre quatro pés: o que tiver pernas sobre os seus pés, para saltar com elas sobre a terra.

Deles comereis estes: a locusta segundo a sua espécie, o gafanhoto devorador segundo a sua espécie, o grilo segundo a sua espécie, e o gafanhoto segundo a sua espécie.

E todos os outros insetos que voam, que têm quatro pés, serão para vós uma abominação.

E por estes sereis imundos: qualquer que tocar os seus cadáveres, imundo será até à tarde.

Qualquer que levar os seus cadáveres lavará as suas vestes, e será imundo até à tarde.

Todo o animal que tem unha fendida, mas a fenda não se divide em duas, e todo o que não rumina, vos será por imundo; qualquer que tocar neles será imundo.

E todo o animal que anda sobre as suas patas, todo o animal que anda a quatro pés, vos será por imundo; qualquer que tocar nos seus cadáveres será imundo até à tarde.

E o que levar os seus cadáveres lavará as suas vestes, e será imundo até à tarde; eles vos serão por imundos.

Estes também vos serão por imundos entre os répteis que se arrastam sobre a terra; a doninha, e o rato, e a tartaruga segundo a sua espécie,

E o ouriço cacheiro, e o lagarto, e a lagartixa, e a lesma e a toupeira.

Estes vos serão por imundos dentre todos os répteis; qualquer que os tocar, estando eles mortos, será imundo até à tarde.

E tudo aquilo sobre o que cair alguma coisa deles estando eles mortos será imundo; seja vaso de madeira, ou veste, ou pele, ou saco, qualquer instrumento, com que se faz alguma obra, será posto na água, e será imundo até à tarde; depois será limpo.

E todo o vaso de barro, em que cair alguma coisa deles, tudo o que houver nele será imundo, e o vaso quebrareis.

Todo o alimento que se come, sobre o qual cair água de tais vasos, será imundo; e toda a bebida que se bebe, depositada nesses vasos, será imunda.

E aquilo sobre o que cair alguma parte de seu corpo morto, será imundo; o forno e o vaso de barro serão quebrados; imundos são: portanto vos serão por imundos.

Porém a fonte ou cisterna, em que se recolhem águas, será limpa, mas quem tocar no seu cadáver será imundo.

E, se dos seus cadáveres cair alguma coisa sobre alguma semente que se vai semear, será limpa;

Mas se for deitada água sobre a semente, e se dos seus cadáveres cair alguma coisa sobre ela, vos será por imunda.

E se morrer algum dos animais, que vos servem de mantimento, quem tocar no seu cadáver será imundo até à tarde;

E quem comer do seu cadáver lavará as suas vestes, e será imundo até à tarde; e quem levar o seu corpo morto lavará as suas vestes, e será imundo até à tarde.

Também todo o réptil, que se arrasta sobre a terra, será abominação; não se comerá.

Tudo o que anda sobre o ventre, e tudo o que anda sobre quatro pés, ou que tem muitos pés, entre todo o réptil que se arrasta sobre a terra, não comereis, porquanto são uma abominação.

Não vos façais abomináveis, por nenhum réptil que se arrasta, nem neles vos contamineis, para não serdes imundos por eles;

Porque eu sou o SENHOR vosso Elohim; portanto vós vos santificareis, e sereis santos, porque eu sou santo; e não vos contaminareis com nenhum réptil que se arrasta sobre a terra;

Porque eu sou o SENHOR, que vos fiz subir da terra do Egito, para que eu seja vosso Elohim, e para que sejais santos; porque eu sou santo.

Esta é a lei dos animais, e das aves, e de toda criatura vivente que se move nas águas, e de toda criatura que se arrasta sobre a terra;

Para fazer diferença entre o imundo e o limpo; e entre animais que se podem comer e os animais que não se podem comer."

Um grande mal que tem assolado a humanidade nesse século e a obesidade, cada vez mais as pessoas têm estado acima do peso. Muitos fatores têm sido atribuídos a esse mal, mas qual será a verdade espiritual por detrás disso?

O Eterno quando nos deu a sua Torah já sabia que a humanidade iria chegar ao ponto que chegou. Desregrada em todos os níveis da sua vida, não querendo obedecer nada, mas mesmo assim o Eterno na sua infinita misericórdia nos deixou sua bússola para uma vida humana sadia.

Quando lemos em levítico 11 o que podemos comer e o que não podemos, entendemos um pouco por que o homem hoje esta no caos atual. Os animais que não foram feitos para alimentação são os mais ingeridos pelo mundo atual e os que mais trazem efeitos desastrosos para o organismo. Um exemplo muito grande disso é o porco e seus derivados, o verme que está contido muitas vezes nessa carne se aloja no cérebro e mata, o bacon que é a pele do porco frita aumenta assustadoramente o colesterol, que por sua vez entupem as artérias e traz o infarto. Como se não bastasse tudo isso a gordura extraída do porco tem muitas calorias e traz o malefício do peso extra. Isso por que estamos nos focando só nos malefícios físicos, sabemos também que os malefícios espirituais são desastrosos, explanaremos a seguir.

Sabemos que somos aquilo que comemos, tudo o que comemos é transformado em sangue e alimenta o nosso corpo, o que não é absorvido pelo corpo e excretado em forma de urina ou fezes.

Somos constituídos de corpo, alma e espírito, esses três elementos estão conectados e um está tão atrelado ao outro que o que um faz afeta o outro, exemplo: se eu oro com meu espírito a minha carne vai ter força para se desviar das tentações e não pecar, agora se deixo minhas paixões que estão na minha alma comandarem meu corpo, eu vou pecar com meu corpo físico com certeza.

Quando abrimos nossa boca e ingerimos algum alimento estamos alimentando o nosso corpo e podemos estar alimentando também nosso espiritual ou podemos estar pecando e assim abrindo brechas para que os espíritos imundos atuem em nossas vidas, ex: se comemos carne de porco estamos pecando pois levítico 11 diz claramente para não fazermos isso, se pecamos damos direito legal para os espíritos imundos atuarem em minha nossa vida e manipularem a mesma.

Muitas citam Atos 10 para dizer que podemos comer qualquer coisa, mas o interessante e que nessa passagem Pedro nem se quer coloca aqueles alimentos na boca e outra ponto aqui também é que Yeshua já tinha morrido e ressuscitado e os discípulos continuavam comendo somente o que estava listado como comida pura.

Vemos também Yeshua mandando os demônios que foram expulsos do endemoniado gadareno para uma manada de porcos ( Mc 5.1-20), será que esse animal considerado imundo pela Torah não serve para habitação de demônios?

No livro de Daniel ele sabia a importância de obedecer aos mandamentos alimentares, Dn 1- 8 " Mas Daniel propôs no coração não se contaminar com as iguarias do rei nem com vinho de sua mesa."

Muito é falado por aí sobre o jejum de Daniel (que na verdade não é jejum, pois jejum é abstinência de alimentação, e não comer somente determinadas coisas) a alimentação de Daniel, consistiu em obedecer Lv 11, com certeza as carnes ali não eram puras e ele resolveu comer legumes.

Obedecer a Torah é que traz santificação.

O que você tem alimentado seu corpo ou seu espírito?

Quantas vezes ouvimos discursos por ai sobre alimentação? Quantas vezes se expõe ao público que a glutonaria é tanto pecado quanto adultério? Quantas vezes ouvimos pregações sobre a necessidade de matar a carne fazendo jejum?

Acho que a resposta é fácil, quase nunca, pois as pessoas não querem ter seus prazeres cortados.

Segundo tradições existem níveis espirituais que vão dos mais degradantes aos mais elevados, são eles:

1- O nível mais degradante da humanidade e quando as pessoas só querem saber de sexo, comida e violência.

2- O segundo e quando as pessoas querem aprender alguma coisa sair do nível da ignorância absoluta e passar ao conhecimento.

3- O terceiro nível e quando as pessoas se voltam para algum conhecimento religioso.

4- O quarto nível e quanto às pessoas buscam se elevar espiritualmente.

5- O quinto nível e o mais elevado de todos e quando as pessoas buscam obedecer a Torah do Eterno.

Entendemos aqui que a humanidade hoje se encontra no nível mais degradante como ser humano.

Para controlarmos o apetite, precisamos ter domínio próprio, necessitamos estar buscando a Ruach Hachodesh (Espírito santo) para não desobedecermos com a glutonaria, para não comer alimentos impuros e nos contaminarmos.

Controlar a alimentação é um passo enorme na libertação

Por Ligia (Hadassa bat Israel)
www.beitchessed-batalhaespiritual.blogspot.com

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

Yeshua, um mito ou o verdadeiro Messias de Israel

Parte 3


 

Adaptado por Yochanan ben Avraham

Colaboração de Mike Martins e Patrícia Guarilha.


 

Respondendo o item nº 8 (parte 2)


 

Continuando com as repostas do 8º item, iremos agora verificar se a insinuação de que episódios da vida de Yeshua Ha Mashiach foram plagiados da vida de Siddhartha Gautama, o príncipe que virou monge e que ficou conhecido como Buda.


 

Yeshua X Buda


 

SIDDHARTHA GAUTAMA (O BUDA)

Acredita-se que Siddhartha tenha vivido entre os anos 563 – 483 AEC, nascido de uma classe guerreira sob o sistema de castas da Índia e posteriormente atingiu a iluminação para se tornar o Buda (O Iluminado) e fundador do budismo. Assim como Zoroastro (de quem estaremos falando no próximo estudo), muito pouco foi escrito sobre ele durante o tempo de sua vida, com relatos quem vai se tornando mais incríveis com o passar do tempo...


 

NASCIMENTO VIRGINAL

Siddhartha nasceu de Suddhodana (seu pai) e Maya (sua mãe). Apesar de alguns críticos dizerem que Maya era uma virgem, nós afirmamos que não pois ela era a esposa favorita do rei. Também, Os Atos do Buda confirmam que Maya e Suddhodana tinham relações sexuais (os dois provaram os deleites do amor...), apesar de que é justo apontar que a maioria das traduções inglesas não contém esta declaração.

Apesar de Maya ser retratada como sendo virtuosa e de mente pura, o conceito de virginal nunca é mencionado a respeito do nascimento de Siddhartha. No máximo, foi uma transferência de útero como a história de Krishna:


 

"O mais excelente de todos os Bodhisattvas caiu diretamente de seu lugar entre os residentes do céu de Tushita, e movendo-se rapidamente através dos três mundos, repentinamente tomou a forma de um grande elefante de seis presas tão branco como o Himalaia, e entrou no útero de Maya." (Buddha Karita 1.18)


 

Opinião cética:

A semelhança entre Maya e Maria [sic] possui algum significado (quer dizer, não nos diz alguma coisa?)


 

Resposta:

Apesar de similares em suas transliterações, suas formas originais e traduções são completamente diferentes. Maya, do sânscrito, significa ilusão, enquanto que Maria [sic] é traduzida do hebreu (Mara) como amargo.


 

OBS. Sabemos que o nome da mãe de Yeshua é Miriam, e não Maria como afirma a tradição cristã.


 

VISITA DE SÁBIOS ?

Não podemos encontrar nenhuma menção de sábios nos textos budistas, mas achamos nos escritos pós-cristianismo [sic], o que é, diga-se de passagem, bem sintomático...o seguinte:

1ª versão.

Um asceta (não sábio) visita ao rei (Suddhodana) para repetir a informação que ele recebeu dos deuses, que sua criança (filho) se tornaria um grande líder religioso. Depois de ouvir isso, os Brâmanes (casta sacerdotal hindu) decidiram dedicar seus filhos, dependendo do resultado da profecia.


 

"Um filho tem nascido na família do rei Suddhodana, e daqui a trinta e cinco anos ele vai se tornar um Buda...Se o jovem príncipe se tornar um Buda ou um rei, vamos cada um de nós darmos um filho de modo que, se ele tornar-se um Buda, ele deverá ser seguido e cercado pelos monges da casta guerreira e se ele tornar-se um rei, por nobres da casta guerreira." (Jataka 1.55,57)


 

2ª versão.

No momento do nascimento de Siddhartha Gautama, um vidente diz a Suddhodana que seu filho se tornará um grande líder religioso:


 

"O grande vidente veio ao palácio do rei. 'Seu filho tem nascido para o bem do supremo conhecimento. Tendo abandonado seu reino, indiferente a todos os objetos mundanos, ele irá brilhar como um sol de conhecimento para destruir a escuridão do mundo." (Buddha Karita 1. 54, 62, 74)


 

PRESENTEADO COM OURO, INCENSO E MIRRA ?

Novamente, não encontramos nenhuma menção a tal ocorrência, exceto por uma forçada correlação em uma escritura pós-cristã [sic], que diz que os deuses (não sábios) presentearam Siddhartha com sândalo, chuva, lírios aquáticos e flores de lótus (símbolo budista). Isto não seria surpresa já que nascimentos reais geralmente são celebrados com festivais e presentes!


 

"Assim que ele nasceu o de mil-olhos o tomou gentilmente, brilhante como um pilar de ouro. Duas puras correntes de água caíram do céu sobre sua cabeça como pilhas de flores de Mandara. Os senhores-yaksha (na mitologia hindu, são seres metade divino, metade demônio) ficaram ao seu redor, o guardando com lótus de ouro em suas mãos. Os grandes dragões o fitaram com olhos de concentrada devoção, e o abanaram e espalharam flores de Mandara sobre ele. E de um céu sem nuvens caiu uma chuva cheia de lótus e lírios aquáticos, e perfumadas com sândalo." (Buddha Karita 1.27, 36, 38, 40)


 


 

GUIADOS POR UMA ESTRELA?

Não há menção de um sinal celestial, mas há algumas similaridades forçadas em textos pós-cristãos [sic]


 

1ª versão

Os Brâmanes procuravam por sinais do Buda em Siddhartha para determinar se ele seria um rei ou líder religioso. Os sinais não implicavam em presságios celestiais mas em marcas físicas que um Buda deveria ter:


 

"Eles (os Brâmanes) pediram para observar as marcas e características da futura pessoa do Buda, e para profetizar sua fortuna. Se um homem possuindo tais marcas e características continuar na vida como chefe de família, ele se tornará um Monarca Universal. Se ele se retirar do mundo ele se torna um Buda." (Jataka 1. 56)


 

2ª versão

"Duas correntes de água jorrando do céu, iluminadas como os raios de lua, tendo o poder do calor e do frio, caindo sobre a benigna cabeça daquele inigualável, para dar refresco a seu corpo...Os deuses mantiveram um guarda chuva branco no céu e murmurou as mais altas bênçãos em sua suprema sabedoria...Então tendo conhecido por sinais e através do poder de suas penitências este nascimento daquele que destruirá ( ou ofuscará) todos os nascimentos, o grande vidente Asita veio ao palácio do rei. Assim o grande vidente olhou o filho do rei maravilhado, seu pé marcado com uma roda, seus dedos das mãos e dos pés palmados, com um círculo de cabelo entre suas sobrancelhas e sinais de vigor como um elefante." (Buddha Karita 1. 35, 37, 54, 65)


 

25 DE DEZEMBRO

Não é necessário trazer uma refutação sobre isso, pois todos sabem que o dia 25 de Dezembro é mais um dos equívocos cristão sobre o Messias de Israel. O qual teria nascido mui provavelmente em Sukot, entre os meses de setembro e outubro do calendário gregoriano. Portanto, fica claro o despreparo e ignorância dos proponentes destas idéias...


 

TENTATIVA DE ASSASSINATO POR UM REI MAU?

Não há menção de um atentado contra a vida de Siddhartha. A única coisa que somos informados é que seu pai, Suddhodana, tentou persuadi-lo de uma vida de servidão religiosa por seduzi-lo com privilégios reais. Quando o profeta disse ao rei que seu filho veria quatro sinais o guiando para sua chamada religiosa, o rei ordenou os guardas a cercá-lo para prevenir tal evento:


 

"Então disse o rei: 'o que deve ver meu filho, que o fará se retirar do mundo?'

O profeta respondeu: 'Os quatro sinais.'

'Que quatro?' Disse o rei.

'Um decrépito homem velho, um homem doente, um homem morto e um monge.' Respondeu o profeta.

'Deste dia em diante.' Disse o rei, ' tais pessoas não são permitidas a aproximar-se do meu filho. Eu nunca deixarei meu filho se tornar um Buda. O que eu quero ver é meu filho exercendo seu soberano governo e autoridade...' E quando ele falou assim, ele colocou guardas em uma distância de um quarto de légua em cada uma das quatro direções, para que nenhum destes quatro tipos de homem possa ficar às vistas de seu filho." (Jataka 1. 57)

LINHAGEM REAL

Assim como Krishna, Siddhartha Gautama era um descendente real imediato nascido em privilégios. Yeshua, era um distante descendente do rei David nascido na pobreza.


 

IDADES MARCANTES

Ao contrário de Yeshua que ensinava no Templo com a idade de 12 anos, começou seu ministério com 30 e morreu aos 33. As idades marcantes de Siddhartha Gautama, diferem bastante daquilo que os críticos alegam, vejam: ele terminou sua educação aos 15 anos, casou-se aos 16, tornou-se um monge aos 29, alcançou a iluminação aos 35 e morreu aos 80.


 

CRUCIFICAÇÃO ?

Apesar de críticos alegarem alguns relatos vagos mencionando a crucificação de Siddhartha, não podemos achar menção disto em nenhuma fonte budista. De fato, somos informados que Siddhartha morreu de causas naturais aos 80 anos. Seus seguidores o acompanharam a um rio e o proveram com uma cama:


 

"São tão bons de me estender uma cama...estou cansado e desejo deitar-me...Então (o Buda) caiu em uma profunda meditação, e tendo passado pelos quatro jhanas (estado meditativo com profunda sensibilidade e quietude da mente), entrou no Nirvana."


 

RESSURREIÇÃO E ASCENSÃO

Depois de sua morte, o corpo de Siddhartha foi cremado:


 

"E eles queimaram os restos do abençoado assim como fariam com o corpo de um rei dos reis"


 

Diz-se que Siddhartha transcendeu todos os níveis de meditação em seu leito de morte antes de atingir o Nirvana. Mas de acordo com o budismo, o Nirvana não é um lugar físico, mas um estado mental. Como mencionamos em Yeshua x Krishna, o conceito de Buda transcendendo ao Nirvana difere grandemente de "céu" bíblico.


 

SIMILARIDADES ERRÔNEAS ALEGADAS PELOS CRÍTICOS

*Ele alimentou uma multidão com uma cesta de bolos.

Não há menção disto em qualquer texto budista.


 

*Transfiguração num monte.

Apesar de Siddhartha ter atingido alimentação espiritual, ele não experimentou uma transfiguração física. Nem isto aconteceu em um monte, Buda obteve sua iluminação debaixo de uma árvore.


 

*Esmagando a cabeça de uma serpente.


Como Krishna, Buda nunca foi referido com esta atribuição mas um conto vem à tona num texto posterior que menciona ele literalmente assassinando uma serpente. Mas a menção de Yeshua a esse respeito é uma metáfora.


 

*Votos de pobreza.

Yeshua nunca fez tal voto. O que foi ensinado por Ele diz que o amor a possessões terrenas poderia mudar o foco para longe das coisas celestiais. (Mat. 6. 19-24)


 

*Títulos similares.


Bom pastor, carpinteiro, Alfa e ômega [sic], que leva os pecados, Deus dos deuses [sic], Mestre, Luz do Mundo, Redentor, Eterno a Eterno e etc. Mas Siddhartha nunca clamou ser uma deidade, logo, fazem-se falsos estes títulos. Os únicos títulos que o Buda compartilha com Yeshua encontrados nos textos budistas são: senhor, mestre e santo...


 

CONCLUSÃO

Pelo fato do budismo compartilhar vários conceitos com o hinduísmo, (originando-se nas proximidades deste), há na verdade mais similaridade entre as histórias de Buda e Krishna do que entre Buda e Yeshua.